Lula vira ministro

Ontem, terça-feira (15), por volta das 18h55, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou a presidenta Dilma Roussef no Palácio da Alvorada para debater a provável nomeação do ex-presidente Lula como ministro, ocupando o lugar de Ricardo Berzoini, na Secretaria de Governo, que também participou da reunião, junto a Jaques Wagner, da Casa Civil.

O anúncio oficial de que Lula aceitou de fato o posto de ministro, seria declarado nessa terça-feira (15), porém deu-se no adiamento, dado que ocorreu a divulgação da delação premiada do senador Delcídio do Amaral (MS).

Segundo, um ministro petista, o ex-presidente reuniu-se pessoalmente com a presidenta Dilma, para afirmar o seu sim ao ocupar o cargo de ministro-chefe da Secretaria de Governo.

http://www.folhapolitica.org/2015/09/janot-encaminha-ao-stf-pedidos-para.html

Enquanto isso, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha do PMDB-RJ, planeja uma comissão para considerar a retirada da presidenta Dilma de seu posto. Sabendo-se disso, considera-se que o ex-presidente é o único capaz de impedir o processo de impeachment da presidenta, assim que aceitar o posto de ministro.

Por conseguinte, Lula ao assumir o papel de ministro, deixará de ser investigado e julgado pelo então juiz federal Sérgio Moro, encarregado pela Operação Lava Jato. Sendo assim, o Supremo Tribunal Federal (STF) será o responsável pelo caso do ex-presidente.

Antes de seu encontro com a presidenta, em Brasília, o ex-presidente postou em suas redes sociais um vídeo em que praticava exercícios físicos. Lula, quis mostrar aos internautas através do seu fotógrafo oficial, Ricardo Stuckert, o que ele fazia naquela manhã e também mencionar o lado positivo de se exercitar.

Todos esperam que nessa quarta-feira (16), o ex-presidente bata o martelo como primeiro-ministro, logo, o esperado é que o ex-presidente passe a comandar articulações políticas, com o objetivo de evitar o impeachment de sua sucessora.

http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/cultura/lula-nao-adianta-beber-as-provas/

Para os integrantes da cúpula do PMDB, ter o ex-presidente como ministro é o término do governo petista. Para eles ter Lula de volta, é uma forma da presidenta Dilma declinar do seu governo.

Não existe uma concordância exata para a cúpula do PMDB, em relação a colisão que poderá ser provocada pela performance do ex-presidente junto aos seus cúmplices. Porém, o esperado é que assim que o Lula assuma como primeiro-ministro, passe a planejar encontros com as principais lideranças do Congresso.

O partido PMDB, assimila que com o ex-presidente como ministro, trará novas ideias, que poderão bagunçar e confundir todo progresso feito para o impeachment contra a presidenta Dilma.

No entanto, de acordo com o presidente da câmara, Eduardo Cunha, será finalizado daqui quarenta e cinco dias, o processo responsável pelo distanciamento da presidenta.

Poderes de um presidente da república

O presidente exerce a função de Chefe de Estado em uma nação cujo o sistema de governo é o presidencialismo. No Brasil, por exemplo, o presidente é eleito pelo voto democrático e se torna representante do povo na esfera federal. O período de governo é de 4 anos, podendo ser prorrogado caso ele se candidate à reeleição e ganhe.

Para se candidatar à presidência da republica, é preciso ter idade minima de 35 anos, ser brasileiro, registrado em algum partido político e ter exercido funções que ajudaram a solidificar a constituição federal. É preciso garantir o que está escrito na constituição, a respeito de direitos e deveres invioláveis do povo.

Quando tratamos de uma república presidencialista, a autoridade máxima é o presidente. Cabe a ele exercer a tarefa de chefe de governo. A figura política também possui grande influência nas forças armadas.

Projetos

O presidente pode enviar ao congresso nacional projetos de leis com relação a temas diversos relacionados a:

Presidente da República (Foto:Reprodução)

  • Criação de hospitais;
  • Funções diversas na administração federal;
  • Universidades e outras instituições;
  • Projetos educacionais;
  • Entre outros.

Ele também pode levar uma série de propostas ao legislativo sobre vários assuntos. Mas caberá a casa legislativa analisar os assuntos pautados, apesar de ser figura máxima na política nacional não pode decidir sozinho.

Posicionando-se contra em qualquer projeto, o presidente tem poderes para vetar. A lei que foi aprovada no congresso nacional chega até sua mesa, caso encontre problemas, o mesmo poderá fazer com que ela não tome continuidade.

Também cabe o presidente sancionar a lei quando a mesma trouxer benefícios ao povo, tendo em vista que houve um diálogo entre o presidente e os deputados estaduais, federais e senadores para a aprovação.

Outros poderes que o presidente exerce no comando do país, são:

  • Nomear e exonerar ministros de estado por qualquer motivo;
  • Indicar representantes para que possam ter competência nas relações exteriores.

Está garantido na constituição o pleno poder do presidente em decretar estado de sítio e a intervenção federal. Pode  declarar guerra contra algum estado estrangeiro, mas neste caso apenas se autorizado pelo congresso nacional.

A saída de Graça Foster da presidência da Petrobras

Conhecida nacionalmente por ocupar um cargo importante na Petrobrás, Graça Foster tomou posse da presidência no mês de fevereiro de 2012. Sua escolha fora feita por substituição de Sérgio Gabrielli que presidia a pouco mais de 7 anos.

Funcionária de carreira, Graça ingressou na Petrobrás no fim da década de 70 e se tornou a primeira mulher no mundo a presidir uma empresa de grande porte.

A chegada de Foster na Petrobrás foi uma tentativa de implantar uma gestão mais técnica e menos política. No entanto a estatal continuou submisso a política de preços e determinações do governo. Principalmente com relação a inflação que, para tentar contê-la, segurou o preço dos combustíveis.

Graça Foster – Crédito de imagem: http://www.sobreadministracao.com

Os rumores de que Graça deixaria a presidência da Petrobrás se confirmaram. Também outros cincos diretores da estatal renunciaram os cargos, em um total de sete pessoas.

A saída de Graça

Um dos principais motivos para ter abdicado o cargo está na crise que a Petrobrás vive atualmente.

Também existe um outro agravante que envolve denúncias de lavagem de dinheiro no esquema realizado pelos ex-diretores da estatal, alvo de investigação da polícia federal.

No cenário internacional a Petrobrás está no vermelho. A credibilidade caiu muito com as denúncias de corrupção e também devido a crise que o país vem enfrentando.

Portanto, para colocar a Petrobrás no eixo, foi preciso sacrificar e Graça e sua cúpula, tiveram que renunciar. Antes mesmo de sua saída, ela havia conversado com a presidente Dilma que, na época, não aceitava que ela deixasse a presidência.

Na última conversa que Dilma teve com Graça, viu que a melhor saída era aceitar a renúncia. Assim foi feito. Agora resta esperar para saber quem irá sucedê-la, afim de melhorar ou tentar melhorar a imagem da Petrobrás aqui e no exterior.

Possíveis substitutos de Graça Foster

Em breve os novos ocupantes dos cargos serão decididos na reunião do conselho. Entre os cotados estão o:

  • Ex-presidente do Banco Central, Henrique Meireles.
  • Murilo Ferreira, atual presidente da Vale.
  • Eduarda La Rocque, ex-secretária da Fazenda do Rio de Janeiro.
  • Rodolfo Landim, com passagens na Eletrobrás e BR Distribuidora.

Como foi fundada Brasília?

Brasília

Como bem sabemos, a capital do Brasil é a cidade de Brasília que foi fundada no ano de 1960, precisamente no dia 21 de Abril. A cidade é pura beleza, com monumentos históricos e categorizada como uma das mais modernas do país. Mas a sua construção, começou primeiro no coração de vários homens antes de Juscelino.

Desde os tempos em que era forte a época do Brasil Colônia, já existia o desejo de construir uma capital. O Brasil possuía um grande espaço para tal evento e isso deixava ainda mais chances de fazer com que houvesse a tão sonhada construção. Na época em que esse se iniciava, o Brasil vinha sofrendo fortes ataques de outros países com intuito de tomar a terra.

Esses mesmos invasores conseguiram ficar por aqui por cerca de um ano e logo depois desse período foram expulsos do nosso território. Nessa época, foram levantadas as primeiras vozes com a intenção de tornar o Brasil não só um país independente, mas também com direitos e deveres.

 JK  (Foto: Reprodução)

Na cabeça dos governantes, uma nova capital seria o ponto forte do país. A princípio, a ideia foi altamente defendida por Marquês de Pombal, mas nada fora feito. Alguns anos mais tarde, os brasileiros já estavam extremamente insatisfeitos com a Coroa portuguesa e ainda havia a necessidade da capital.

Em 1822, ocorreu então a Independência do Brasil, o que deixou o povo ainda mais vívido e interessado em “fazer as regras” por aqui. Passaram-se anos, muita coisa foi discutida, muitas brigas, opiniões contrárias e até inimizades foram criadas para que nossa capital começasse a se tornar um sonho real.

Tanto é que em 1892, dois membros da Missão Cruls foram à Uberada demarcar o local do Planalto Central, a partir daí os homens passaram por diversas cidades até chegar no local em que hoje está a capital brasileira. Ao todo, foram sete meses de caminhada para encontrar o tão esperado lugar.

O até então presidente brasileiro Epitácio Pessoa lança a primeira pedra em direção a construção da cidade, no Morro do Centenário, precisamente localizado em Planaltina de Goiás. Contudo, absolutamente nada aconteceu até o que chamou-se de “Era Juscelino”.

Era Juscelino

No ano de 1956 houve o pouso da FAB que trazia o então presidente da república Juscelino Kubitschek. Foi aí que a jornada de construção iniciou-se por lá. Não se deixou abater pelo pedaço de terra totalmente limpo e sem vestígios de civilização e com isso aumentou seu desejo de construir a capital.

A partir de então o presidente contou com o apoio do arquiteto Oscar Niemeyer, que foi unicamente o responsável pela construção da maquete de como ficaria a cidade depois de pronta. Depois de pronto o projeto, começaram então a visualizar com clareza o quanto a cidade seria um marco na história do Brasil.

A notícia se espalhou por todo o país, se tornando capa de inúmeros jornais e pondo ainda mais insistência no coração do presidente. Depois de muito tempo em movimentos frenéticos, era possível avistar as primeiras construções, a obra nunca parava e em pouco tempo a cidade estaria construída.

A modernidade de Brasília iniciou-se depois desse período, projetos em cima de projetos e a nossa capital se tornou a tão famosa e falada Brasília que hoje tem cerca de mais de 5.801,930 km² e uma população calculada em 2.789,761 milhões de pessoas. Onde milhares de brasilienses nasceram e cresceram.

Presidente do Senado

O Presidente do Senado, é um importante componente de forma geral na organização do Governo e seus representantes. Para que esse Presidente seja eleito, ele precisa passar por um processo de eleição. Os senadores de vários estados, se reúnem e então fazem a votação para eleger o Presidente do Senado.

Os votos são secretos e também recebem ajuda dos membros da mesa diretora. Além de todas as responsabilidades naturais do Presidente, ele também se torna responsável pelo Congresso Nacional, basicamente são duas casas por onde passam todos os problemas relacionados ao Governo e também quaisquer interesses governamentais.

Atualmente, o Brasil tem como Presidente do Senado, Renan Calheiros (foto). Todos os assuntos relacionados a política brasileira, governo e afins são automaticamente passados por Renan que juntamente com a Presidente e os demais envolvidos na ala, tomam as decisões necessárias para um país cada vez melhor.

Uma das marcas registradas de Renan na presidência do Senado, é o corte de gastos que o mesmo vem fazendo no tempo em que está ocupando o cargo. Essa prática traz resultados positivos, apesar de lentos. Além disso, já é possível organizar uma agenda para questões relacionadas as duas casas por quem é responsável.

Antes da criação da Presidência do Senado, algumas normas foram observadas. O que realmente impulsionou a prática no Brasil, foi o Reino Unido, em 1889. Depois que houve a proclamação da República, se fez necessária a criação deste cargo no país. Os 81 senadores brasileiros são dirigidos pelo Presidente do Senado.

Presidentes do Senado nos últimos anos

  • Jáder Barbalho do PMDB, atuou no ano de 2001 e é do estado do Pará.
  • Edison Lobão do PMDB, atuou no ano de 2001 e é do estado do Maranhão.
  • Ramez Tebet do PMDB, atuou de 2001 a 2003 e é do estado do Mato Grosso do Sul.
  • José Sarney do PMDB, atuou de 2003 a 2005 e é do estado do Amapá.
  • Renan Calheiros do PMDB, atuou de 2005 a 2007 e é do estado do Alagoas.
  • Tião Viana do PT, atuou no ano de 2007, de Alagoas.
  • Garibaldi Alves Filho do PMDB, atuou de 2007 a 2009, do Rio Grande do Sul.
  • José Sarney do PMDB, atuou de 2009 a 2013, do Amapá.
  • Renan Calheiros, atual Presidente do Senado, de Alagoas.