Tatuagem interfere em exame de sangue

Hoje, é comum encontrar por todo lado pessoas que possuem tatuagens. Com frases e desenhos variados, a tatuagem é definitiva, depois não adianta simplesmente querer retirá-la da pele.

Diante isso, percebe-se a importância em ter total consciência ao planejar fazer uma tatuagem, pois ela não dá oportunidade para arrependimentos. Fez uma tatuagem, gostando ou não dela, já era.

Ouve-se falar em possíveis cirurgias que removem tatuagens. Sim, essas cirurgias existem, porém não são tão eficazes. Na maioria dos casos, a remoção da tatuagem não foi por total, deixando alguma marca.

A tatuagem é inserida na pele através de pigmentos por agulhas, essas agulhas ficam numa máquina elétrica que é própria para tatuagens. Em cada furo dado na pele, uma gota de tinta sai. Não é aplicado anestesia na pele para fazer uma tatuagem, logo é normal sentir uma certa dor.

Entretanto, não basta só fazer a tatuagem, pois depois da tatuagem feita, é preciso ter algumas precauções para evitar futuros problemas. Por exemplo, após ter feito uma tatuagem, é proibido a doação de sangue.

Foi determinado que a doação de sangue, só poderá ser realizada após um ano feito a tatuagem. Os motivos são contaminações que podem ser transmitidas através das agulhas de uma máquina de tatuar.

Tendo como exemplo, doenças como a aids e a hepatite, pois são doenças que podem ser transmitidas por agulhas. Os motivos de um ano ser o limite para voltar a doar sangue, é porque passando esse tempo, os anticorpos podem ser localizados novamente.

É de extrema importância ter confiança no tatuador, para que ele tome todas medidas corretas durante o procedimento, respeitando o seu cliente, fazendo a higienização e a esterilização dos seu material de trabalho.

Conheça a seguir, fatores importantes para quem deseja fazer uma tatuagem:

• Tatuagens podem ocasionar problemas na pele, como inflamações. Por exemplo, granulomas, que são caroços vermelhos. Além da pele estar sujeito a queloide, durante a cicatrização.
• Reações alérgicas causadas pela tinta. É preciso ter cuidado, pois essas alergias podem surgir anos depois feito a tatuagem.
• Risco toxicológico, algumas tintas podem apresentar metais pesados em sua substancia, que são muito tóxicos.
• Exames de ressonância magnética é um risco para quem tem tatuagem, pois as cores das tintas podem causar reação, por exemplo, a tinta da cor vermelha possui ferro, sendo ferromagnético, logo é um risco diante o magnetismo. Acontece também que o ferro encontrado na tinta vermelha, conduz eletricidade, que pode acabar aquecendo o metal que possui na substancia da tinta, ou seja, pode queimar a pele.
• Não é indicado que tatue em cima de manchas na pele, pois dificulta localizar problemas futuros possíveis, como um crescimento cancerígeno.
• A bactéria chamada de Staphylococcus aureus, tem tido grande elevação dentre as pessoas tatuadas. É preciso precaver, pois são bactérias resistentes a antibióticos.

A seguir, conheça as recomendações feitas pelos tatuadores, após fazer uma tatuagem:

• Não tomar banho de sol, nem de piscinas, rio ou mar durante um mês, porém a cicatrização de uma tatuagem é de sete a dez dias.
• Por mais que não seja comprovado cientificamente, alguns tatuadores aconselham evitar alimentos como carne de porco, pois acreditam que a carne de porco pode colaborar para uma inflamação inesperada.
• Suspender exercícios físicos durante a cicatrização, principalmente atividade que mantenha contato com a parte da pele tatuada. Caso não seja evitado, pode surgir uma queloide no local tatuado ou problemas mais sérios.

Modelos de poesia social

A poesia social foi uma forma de protesto durante muitos anos. Nos séculos passados, escrever era a arma contra uma sociedade determinista e completamente equivocada com relação aos direitos humanos. A poesia foi um grito de socorro aceitável enquanto a imposição de uma sociedade injusta era a única opção que restava.

Ela nasceu como uma espécie de contraposição ao movimento concretista, preestabelecendo o lirismo e atuando como denúncia social. Nesta matéria apresentaremos alguns modelos de inspiração para você. Acompanhe:

O TEMPO

  • “O tempo é o tempo                                         
  • Tempo que não possui tempo
  • Tempo em tempo que se transforma de
  • Tempos em tempos.
  • O tempo é o melhor remédio
  •  Remédio que o homem esqueceu de tomar há tempos.”

HERÓIS

Poesia social. ( Foto:Reprodução) Crédito da imagem: http: //2.bp.blogspot.com

  • “Todo herói chora por detrás da máscara 
  • Todo herói é uma criança 
  • Todo herói também clama por esperança
  • Todo herói acredita que é possível salvar o mundo
  • Mas esquece de salvar a si mesmo.”

INDIGNAÇÃO

  • “Não cabe no poema o tamanho de minha nação
  • Também não cabe o preço da carne e do feijão
  • Mas cabe no poema tamanha indignação 
  • Ao ouvir dizer que em Hollywood todo mundo é feliz
  • aqui, não é não?”

ANIMAIS

  • “Porcos voam
  • Cães estão vigilantes
  • Carneiros são levados aos mirantes plácidos 
  • Contemplarão o último sol de verão 
  • Os porcos, os cães, todos entoam a mesma canção.”

SOCIAL

  • “Queres dizer adeus a ilusão
  • O ônibus sacoleja de dia e no meio da noite
  • Na calçada o pobre menino e sua peleja 
  • Entre lojas de flores e sapatos
  • Mercados fatigados dos mitos erguidos
  • Quem é Deus? O dono do mundo?
  • Ao peso dos impostos que sufoca
  • Só encontro outros donos do mundo.”

Cubismo brasileiro obras

A virada do século XIX para o século XX foi de crescimento das vanguardas. Principalmente no cenário europeu, a ciência e arte alemã estavam inovando em todas as conjunturas, clamando por um mundo novo livre do modelo aristocrático e burguês que a era vitoriana já pregava e repetia por tanto tempo. A arte moderna serviria como um contraste, divisor de águas. Separaria o mundo antigo do mundo inovador, ousado, fora dos padrões, onde a realidade e a imaginação se juntavam.

Uma das inovações no campo artístico foi o cubismo, forma de arte originada principalmente pelo artista Paul Cézanne. Essa expressão artística conseguia expor claramente os novos tempos que viriam ao mundo. Demonstrava o cotidiano, objetos e paisagens naturais não como uma imagem realista, mas como um emaranhado de formas geométricas.

Paul Cézanne – Still Life with Curtain and Flowered Pitcher (foto: reprodução)

A clara mensagem cubista tratava-se de dar originalidade às telas, fazer com que as pinturas não sejam uma mera reprodução, mas que sejam diferenciadas do mundo real. As pinturas teriam uma linguagem própria, sem se conectarem necessariamente a padrões representativos, ou seja, a arte dialoga com o real sem imita-lo.

Nesse sentido, é comum que até mesmo as cores não façam nenhum sentido se analisadas de forma conservadora. Os traços e perspectivas são feitos para criar a sensação de imagens esculpidas, e muitas vezes, são totalmente ignorados numa imagem plana em tons de cinza, preto, vermelho e outras cores escuras.

Cubismo no Brasil

O cubismo chegou ao Brasil como forte influencia às artes que a seguiriam após a famosa Semana de Arte Moderna em 1922. Não passaram por aqui, artistas genuinamente cubistas, mas sim, muitos que usaram dessas técnicas para criar as obras de arte que se tornariam símbolo da modernidade também aqui no país.

Morro da Favela – Tarsila do Amaral (foto: reprodução)

Adaptando o cubismo aos horizontes artísticos brasileiros, Tarsila do Amaral desenvolveu obras que misturavam as influências cubistas com as paisagens brasileiras, crítica social e o antropofagismo. Rego Monteiro também adaptou o cubismo de forma bem peculiar, misturando as formas geométricas para produzir traços do corpo humano, tendo grande influência cultural indígena em suas obras.

Natureza Morta – Rego Monteiro (foto: reprodução)

Outros artistas como Anita Malfatti utilizaram do cubismo, juntamente com o expressionismo, resultando em um estilo único de pincelada e contraste entre as duas concepções modernistas que claramente dialogavam nas telas.

O Homem Amarelo – Anita Malfatti (foto: reprodução)

Arte Romana

O império romano foi um dos impérios mais poderoso, extenso e organizado na Antiguidade clássica. Os domínios romanos beiravam a soberania provincial com a qual o império trabalhava para manter o domínio sobre os territórios conquistados. Por séculos, os romanos desenvolveram técnicas militares e armamentos sofisticados que deram-nos imensa vantagem contra diversos povos.

Além das conquistas militares, Roma deu grandiosos saltos na administração pública, na política, seja monárquica ou republicana, nas invenções em diversas áreas e nas artes. Esse último aspecto colocaria Roma próximo a Grécia, evidenciando um nível de sofisticação alto se comparado aos padrões gregos.

Arte em Roma

Ao estudar a história de Roma, podemos perceber que os etruscos (mesmo povo que fundou várias cidades gregas) foi o principal responsável pelo desenvolvimento da cidade, principalmente quando se tratava de questões militares. Por esse motivo, a cultura desenvolvida em Roma foi extremamente influenciada pela cultura grega.

A religiosidade romana se assemelhava consideravelmente com a dos gregos e os conceitos de beleza artística chegavam a ser quase copiados por vezes. Essa influência fez com que grande monumentos arquitetônicos desse povo fossem erguidos com características comuns dos templos gregos, como também as grandes estátuas.

Arquitetura

Durante o século VIII a.C. ao século IV d.C. os romanos tiveram o ápice de sua representação artística. Na arquitetura, as colunas de sustentação, os falsos arcos, elementos decorativos e o contraste em decoração e uso prático permaneceu em evidência nos aquedutos, templos, pontes e outras construções.

Coliseu, arena romana (foto: reprodução)

As construções da administração pública também gozavam de princípios parecidos em Roma. Os teatros, também conhecidos como arenas do império, eram geralmente construídos seguindo os padrões de grandes arcos, abóbodas e espaço interior valorizado, muitas vezes abertos.

Escultura

As esculturas romanas, apesar de seguirem ideias de beleza influenciados pelas esculturas gregas (e toda sua tradição artística) adotavam uma pegada mais realista e detalhista. Estatuais representavam a beleza, mas também elucidavam os detalhes reais, o movimento, as imperfeições, a transfiguração imagética para o plano tridimensional com maestria.

Imperador romano (foto: reprodução)

Sobretudo nas esculturas de grandes homens e dos imperadores, era comum que o posicionamento físico da estátua traduzisse consistência e soberania política, real e por vezes militar. Imperadores montados em cavalos davam a impressão de expansão, vitória e conquista militar e econômica. Isso aliado ao detalhismo, pressupõe uma imagem cheia, completa e potente.

Pintura

A pintura em roma também sofria uma influencia mais realista nos traços, realçando detalhes o máximo que pôde. Apesar de realista, as pinturas representavam todo tipo de situação, seja ela quotidiana, histórica ou religiosa, mítica, imaginária.

Bodas de Zéfiro e Cloris , Casa de Navig (foto: reprodução)

Geralmente, as pinturas romanas eram feitas em grandes paredes para decorar o ambiente. Efeitos de ilusão nesses ambientes foram bastante utilizados para  dar o aspecto de profundidade nas obras e imergir o apreciador de forma convencedora.

Qual foi a principal obra de Schopenhauer?

Arthur Schopenhauer

Arthur Schopenhauer foi um filósofo de origem alemã do século XIX. O que realmente deixou o artista historicamente conhecido, foi a forma como avistava o amor e a vida, que não se encaixavam nos padrões estabelecidos pelo século. O filósofo foi o primeiro a introduzir a cultura budista em obras alemãs.

Também foi incluso, através dele, a metafísica alemã. Um pouco mais á frente, sua filosofia teve influência oriental, até que aceitou o ateísmo em sua vida. Durante muito tempo foi conhecido por seu grande pessimismo e maneira “errônea” de enxergar a vida. A cultura religiosa foi se perdendo em suas obras, com o passar dos anos.

Com uma visão extremamente realista, essa imagem ficou impressa em suas obras com o decorrer do tempo. Basicamente, Schopenhauer acreditava na veracidade do amor e nos momentos ilusórios (segundo ele) que ele trazia, contudo não via relação com a felicidade, para ele não estava diretamente ligado a ser ou estar feliz, o ato de amar.

Principal obra

Arthur Schopenhauer (Foto: Reprodução)

Sua principal obra, hoje conhecida mundialmente é “O mundo como vontade e representação”, lançado no ano de 1819, contudo o livro mais famoso entre adolescentes e a geração atual é o “Parerga e Paralipomena” divulgado no ano de 1851. Ambos tem acentuações sobre pontos de crença do autor.

Há trabalhos inteiros universitários, que se espelham principalmente em obras de Arthur Schopenhauer. Para o autor, a representação funcionava como uma atividade fisiológica, forçando o pensamento com relação a vida e a representação da mesma aos seres.

A representação para ele, tem como finalidade formular algo no cérebro humano (ou de qualquer outro animal) uma imagem diferente, que se organiza de acordo com o poder de raciocínio e capacidade de cada um. A representação é uma espécie de tradução feita pelos nossos sentidos, essas são formadas pelas informações que obtemos do mundo exterior. Isso influenciou a maioria de seus trabalhos.

Obras

» As Dores do Mundo

» Sobre a Raiz Quádrupla do Princípio da Razão Suficiente

» Sobre a Visão e as Cores

» O Mundo como Vontade e Representação 

» Sobre a Vontade da Natureza 

» Os Dois Problemas Fundamentais da Ética

» Parerga e Paralipomena 

» Metafísica do Amor/Metafísica da Morte

» A Arte de se Fazer Respeitar

» A Arte de Insultar

» Sobre o Ofício do Escritor

» A Arte de Ter Razão ou Como Vencer um Debate sem Precisar ter Razão

» A Arte de Ser Feliz

» A Arte de Lidar com as Mulheres

» Aforismos para a Sabedoria de Vida

» Sobre a Vida Universitária

» Sobre o Fundamento da Moral

» O Livre Arbítrio

Outra posição sobre o mundo que categoriza a personalidade de Schopenhauer, era sua visão sobre as mulheres. Ele não concordava com o progresso das mulheres, e acreditava que era um dever da mesma “obedecer” tanto a sociedade que a envolvia como a seu marido.

Declarava ainda mais, segundo ele, estava em sua natureza (da mulher) a obediência. Contudo, dizia que elas tinham uma percepção melhor sobre a vida e também eram mais sensatas em seus julgamentos. Além de declarar sua eterna admiração pela forma como eram cheias de compaixão.