Café pode causar diarreia e tonturas

O café tem poder de estimulante, sendo assim, é capaz de nos deixar ligados, não é à toa que vemos muitas pessoas tomando café para manter-se acordado quando desejam realizar algo importante, por exemplo, um trabalho para entregar na manhã seguinte.

Gut, é um jornal que aborda assuntos relacionados a gastrenterologia, e foi no ano de 1990, que o mesmo realizou uma pesquisa sobre o café, por conseguinte, foi constatado que o café provoca mudanças gastrointestinal em algumas pessoas após o seu consumo, provocando diarreia e até mesmo tontura.

No entanto, essa pesquisa não soube dizer os motivos desse fenômeno, mas acredita-se que o café consegue atingir o tecido epitelial, responsável pelo revestimento do estômago e também do intestino delgado.

O café instiga a liberação da gastrina, hormônio produzido no interior do estômago, incumbido de promover o aumento da atividade motora do cólon, ou seja, a porção maior do intestino grosso.

Posto isto, a área do cólon está próxima ao reto, logo, isso explica os efeitos laxantes do café. A cafeína é considerada a principal responsável pelo aumento das contrações do cólon, porém, a pesquisa afirma que até mesmo os cafés descafeinados podem instigar a necessidade de evacuar. Sendo assim, pode ser que outra substância do café ocasione o efeito laxante.

Existem muitos alimentos que provocam diarreia e tonturas, principalmente em pessoas que possuem excesso de gordura. O café e o açúcar, são dois itens que não devem ser consumidos em excesso, pois podem provocar efeitos negativos no organismo.

Acontece que ao ingerir o açúcar, a glicemia do sangue sobe e cai em um nível rápido, fazendo com que o organismo busque outra forma de mecanismo para conservar a glicose cerebral. Já o café, possui cafeína que pode provocar tanto dor de cabeça como tontura, pois a sua ação é vasodilatadora nos vasos sanguíneos do corpo e vasoconstritora dos vasos sanguíneos do cérebro. Tenha em mente que a maioria dos casos de tontura está ligada a alguma disfunção do organismo.

É essencial consumir com moderação o café, porém, veja a seguir, outros alimentos que não devem ser consumidos em excesso, principalmente para evitar diarreias:

• Frituras em geral
• Embutidos
• Álcool
• Itens muito temperados
• Saladas mal lavadas
• Carnes cruas
• Frutos do mar
• Vegetais não cozidos
• Frutas com casca.

O poder do café no segundo reinado

O poder do café no Segundo Reinado foi a principal base da economia, dado que o Brasil passou por uma grave crise econômica diante o caimento da mineração e da produção de açúcar.

Foi no norte do país na metade do século XIX, que foram plantadas as primeiras mudas de café, no entanto, o solo e o clima dessa parte, não eram favoráveis para a plantação do café.

Localizava-se no sudeste do país, o solo favorável para a plantação do café, logo, nos brejos e pântanos drenados da baixada fluminense, estavam as primeiras e amplas lavouras, estendendo-se para o oeste de São Paulo e para o sudoeste de Minas Gerais.

Ao contrário das primícias da produção de cana-de-açúcar na época colonial, os fazendeiros e alguns comerciantes, propiciaram os próprios capitais iniciais para as lavouras, sem necessidade de investimentos externos.

A produção de café usou como força de trabalho até o fim do Império, os africanos escravizados. Porém, com a Lei Eusébio de Queiróz de 1850, estava cada vez mais complicado ter acesso aos escravos, dado que havia também a imposição inglesa pelo fim do tráfico de escravos.

Posto isto, os preços subiram, tornando o trabalho totalmente oneroso, fazendo com que outras medidas fossem tomadas, para ordenar a força de trabalho nos cafezais, por exemplo, a utilização de trabalhadores livres.

A escapatória foi incitar a vinda de famílias europeias, especialmente em São Paulo. Pois, o trabalho escravo já não era tão econômico como o trabalho livre e a visão era iniciar novas técnicas de plantio, por exemplo, a mecanização.

Não havia disposição no trabalho escravo para trabalhar assim, logo não havia produtividade, pois começaria a utilização de novas ferramentas para a produção da lavoura.

Para acontecer a imigração, o fazendeiro tinha o dever de financiar a chegada de cada família europeia, somente assim eles trabalhariam nas lavouras. Esse financiamento foi chamado de parcerias, no entanto, muitos não cumpriram o prometido, ocasionando conflitos, como na fazenda do senador Nicolau de Campos Vergueiro, em Ibicaba, 1856.

Sendo assim, as parcerias foram se desmanchando, mas o governo imperial tinha grande interesse na produção cafeeira e instigou o Estado a financiar a imigração a partir de auxílios e benefícios.

Muitos fazendeiros passaram a defender o fim da escravidão no país, especialmente os fazendeiros de São Paulo, pois acontecia nessa mesma época a agilidade diante a economia fluída pelo trabalho livre.

Entre 1861 e 1885, foi assegurado o superávit da balança comercial brasileira, graças ao poder do café para a economia. Por conseguinte, em 1880, o café passou a ser o responsável por 61% das exportações do Império.

Além disso, a produção cafeeira foi responsável por outros negócios, como o transporte e a venda do café, fazendo com que os fazendeiros se tornassem acionistas de empresas.

Nas casas de comércio externo, trabalhava o comissário do café, que participava também da organização da produção e da logística de transporte, gerando acúmulo de capital, que contribuiu para formação de instituições financeiras e empresas de importação.

Logo, o café despertou a modernização da sociedade brasileira, dando início a urbanização de alguns locais, como no Rio de Janeiro e São Paulo. Até mesmo no interior paulistano, como Campinas e Sorocaba, houve a urbanização diante o capital acumulado dos fazendeiros.

Nas ferrovias, estavam o principal símbolo da modernização, visto que a primeira ferrovia foi construída em 1854, entre o Rio de Janeiro e Petrópolis, ocasionando uma grande expansão.

Os custos do transporte de café diminuíram, graças as ferrovias, que também favoreceu o contato com os portos exportadores, principalmente no litoral paulistano, em Santos.

Compreenda que a expansão ferroviária brasileira, necessitou não só dos capitais brasileiros, mas também dos capitais de estrangeiros, especialmente dos ingleses. As ferrovias, causaram impacto no país, pois a população passou a se beneficiar das inovações técnicas do capitalismo.

Como fazer café?

Após o almoço ou no fim da tarde, estes são os melhores horários para tomar aquele cafezinho em companhia dos amigos. Mas ainda há muitas pessoas que tem dúvidas quanto ao seu preparo, seja na cafeteira ou no fogão. Para acabar de vez com elas, continue acompanhando este artigo.

Ensinaremos logo abaixo o passo a passo para fazer um café delicioso. Confira!

Café no fogão

»  – Adicione água em um recipiente de alumínio, como uma chaleira, e leve e ao fogo alto. Enquanto a água esquenta, lave a garrafa térmica. Depois organize o papel em filtro dentro do coador. Reserve.

»  – Estando a água fervendo, coloque um pouco na garrafa para lavar a quente e jogue fora. Volte a chaleira ao fogo adicionando 2 colheres e meia de açúcar.

»  – Agora é só passar o coador para a boca da garrafa e adicionar três colheres de sopa de café, levando a água com açúcar por cima e deixar coar. Pronto!

Caneca de café.
(Foto: Reprodução)

»  – Basta servir. Rende 10 porções.

Cafeteira

»  – O modo de preparo na cafeteira é um pouco diferente, pois não há necessidade de adicionar açúcar na água, como o que é preparado no fogão.

»  – Ligue a cafeteira na tomada. Em um reservatório atrás coloque a quantidade de água que desejar. Adicione dentro da área do coador, o papel filtro e três colheres de café e tampe.

»  – Embaixo haverá uma chaleira que receberá o café já filtrado. Espere por alguns minutos até que o mesmo esteja pronto, cerca de 15 minutos. Sirva!

Feito na cafeteira pode render até 8 porções dependendo da quantidade de água e café adicionado. Trata-se também da maneira mais rápida e prática do seu preparo. Caso esteja muito cansado e deseja um lanche rápido, é uma ótima opção.

Observação: O açúcar é opcional.

Dica: Em ambos os modos de preparo, a bebida pode ser acompanhada de pães caseiros, biscoitos e bolos.

Café acelera os batimentos cardíacos

Ele é o companheiro de todo brasileiro nas manhãs, após o almoço e até no fim de tarde. A referência é o café, produto que há muito tempo caiu no gosto de várias pessoas, seja ele expresso ou o tradicional.

O café é o parceiro de todas horas de poetas, escritores, professores, empresários, entre outros. Enquanto desenvolvem seu trabalho, ao lado está a xícara de café para um “estímulo a mais”. E por falar em estímulo, a bebida é um forte estimulante, justamente por possuir em sua composição a cafeína.

O composto químico é encontrado em diversas plantas, assim como no guaraná. O consumo em grande quantidade pode provocar alterações no indivíduo como:

  • Alterações de humor
  • Dores de cabeça
  • Insônia

As altas doses incitam o sistema nervoso central, podendo chegar a ser letal.

Xícara de café
(Foto:Reprodução)

Por mais que comprovem os benefícios da bebida, como o estímulo da memória, pesquisadores de uma universidade norte-americana relatam que o café quando consumido em excesso traz consigo muitos malefícios, como:

  • Enfraquecimento do organismo
  • Surgimento de polipos
  • Afecções dermatológicas
  • Surgimento de verrugas
  • Irritações nas mucosas intestinais

Além dos problemas citados acima, o café também acelera os batimentos cardíacos fazendo com que haja perturbações quanto a frequência do ritmo.

Pessoas que possuem problemas cardíacos, principalmente como arritmia não podem consumir a bebida. É importante lembrar que o café ingerido de forma pura por muito tempo, sem o acompanhamento de algum alimento pode desenvolver gastrite e/ou úlcera.

Mas calma, ele não possui somente malefícios, também apresenta benefícios à saúde quando ingerido de forma correta. Veja:

  • Previne doenças como Mal de Parkinson, depressão e diabetes
  • Contém vitamina B
  • Minerais como Potássio e Cálcio
  • O consumo moderado pode baixar o cancro da próstata
  • Melhora a oxigenação do sangue

Bom, depois de ter lido esta interessante matéria, que tal tomar aquele cafézinho? Mas nada de exageros, viu? Aproveite!

Como fazer um café cremoso no liquidificador?

Café cremoso

Ninguém resiste as delícias de um café, não é? Mundialmente, existem várias formas de preparar essa maravilhosa bebida, tem quem prefere puro, quem prefere com leite, outros sem açúcar e até quem goste do descafeinado. E é claro, sem deixar de falar do café cremoso.

É por isso que nós resolvemos ensiná-lo aqui. Você precisará de alguns ingredientes e do auxílio de um liquidificador. O tempo de preparo dura em média 25 minutos e uma dessas receitas chega a render cerca de 50 porções. Então partindo ao preparo, vamos ao modo de fazer. Simples, fácil e muito prático!

Ingredientes

  • Café solúvel
  • Açúcar
  • Água
  • Leite

Do café precisará de 50 gramas, do açúcar 300 gramas,  água 450 ml e leite 2 colheres de sopa. 

Modo de preparo

Café cremoso (Foto: Reprodução)

Para começar utilize o liquidificador, despeje todos os ingredientes e deixe bater por cerca de 15 minutos (veja como se forma o creme com o decorrer do tempo e desligue assim que houver a formação). O creme será parecido com o chantily, quando chegar a esse ponto, interrompa.

Depois disso, despeje o conteúdo dentro de um pote grande ou equivalente a quantia que rendeu. Deixe agir no congelador por algum tempo. O creme não endurecerá, mas terá uma consistência bem parecida com a do sorvete, então retire do congelador e acrescente uma ou duas colheres de leite.

Faça a mistura do leite à mão, caso ache necessário acrescente mais açúcar e então sirva o seu café cremoso.