O poder do café no segundo reinado

O poder do café no Segundo Reinado foi a principal base da economia, dado que o Brasil passou por uma grave crise econômica diante o caimento da mineração e da produção de açúcar.

Foi no norte do país na metade do século XIX, que foram plantadas as primeiras mudas de café, no entanto, o solo e o clima dessa parte, não eram favoráveis para a plantação do café.

Localizava-se no sudeste do país, o solo favorável para a plantação do café, logo, nos brejos e pântanos drenados da baixada fluminense, estavam as primeiras e amplas lavouras, estendendo-se para o oeste de São Paulo e para o sudoeste de Minas Gerais.

Ao contrário das primícias da produção de cana-de-açúcar na época colonial, os fazendeiros e alguns comerciantes, propiciaram os próprios capitais iniciais para as lavouras, sem necessidade de investimentos externos.

A produção de café usou como força de trabalho até o fim do Império, os africanos escravizados. Porém, com a Lei Eusébio de Queiróz de 1850, estava cada vez mais complicado ter acesso aos escravos, dado que havia também a imposição inglesa pelo fim do tráfico de escravos.

Posto isto, os preços subiram, tornando o trabalho totalmente oneroso, fazendo com que outras medidas fossem tomadas, para ordenar a força de trabalho nos cafezais, por exemplo, a utilização de trabalhadores livres.

A escapatória foi incitar a vinda de famílias europeias, especialmente em São Paulo. Pois, o trabalho escravo já não era tão econômico como o trabalho livre e a visão era iniciar novas técnicas de plantio, por exemplo, a mecanização.

Não havia disposição no trabalho escravo para trabalhar assim, logo não havia produtividade, pois começaria a utilização de novas ferramentas para a produção da lavoura.

Para acontecer a imigração, o fazendeiro tinha o dever de financiar a chegada de cada família europeia, somente assim eles trabalhariam nas lavouras. Esse financiamento foi chamado de parcerias, no entanto, muitos não cumpriram o prometido, ocasionando conflitos, como na fazenda do senador Nicolau de Campos Vergueiro, em Ibicaba, 1856.

Sendo assim, as parcerias foram se desmanchando, mas o governo imperial tinha grande interesse na produção cafeeira e instigou o Estado a financiar a imigração a partir de auxílios e benefícios.

Muitos fazendeiros passaram a defender o fim da escravidão no país, especialmente os fazendeiros de São Paulo, pois acontecia nessa mesma época a agilidade diante a economia fluída pelo trabalho livre.

Entre 1861 e 1885, foi assegurado o superávit da balança comercial brasileira, graças ao poder do café para a economia. Por conseguinte, em 1880, o café passou a ser o responsável por 61% das exportações do Império.

Além disso, a produção cafeeira foi responsável por outros negócios, como o transporte e a venda do café, fazendo com que os fazendeiros se tornassem acionistas de empresas.

Nas casas de comércio externo, trabalhava o comissário do café, que participava também da organização da produção e da logística de transporte, gerando acúmulo de capital, que contribuiu para formação de instituições financeiras e empresas de importação.

Logo, o café despertou a modernização da sociedade brasileira, dando início a urbanização de alguns locais, como no Rio de Janeiro e São Paulo. Até mesmo no interior paulistano, como Campinas e Sorocaba, houve a urbanização diante o capital acumulado dos fazendeiros.

Nas ferrovias, estavam o principal símbolo da modernização, visto que a primeira ferrovia foi construída em 1854, entre o Rio de Janeiro e Petrópolis, ocasionando uma grande expansão.

Os custos do transporte de café diminuíram, graças as ferrovias, que também favoreceu o contato com os portos exportadores, principalmente no litoral paulistano, em Santos.

Compreenda que a expansão ferroviária brasileira, necessitou não só dos capitais brasileiros, mas também dos capitais de estrangeiros, especialmente dos ingleses. As ferrovias, causaram impacto no país, pois a população passou a se beneficiar das inovações técnicas do capitalismo.

Rio Nilo: período de cheias e história: Trabalho Escolar

O rio Nilo desde tempos antigos é essencial para a sobrevivência de várias espécies da vida humana. Responsável por suprir as necessidades dos povos do Antigo Egito, é um dos poços mais extensos desde a antiguidade. Se encontra no nordeste da África e é composto por três rios, o Nilo Branco, o Nilo Azul e o rio Atbara.

O Nilo percorre diversas regiões, sendo as principais delas o Egito, a República Democrática do Congo, a Tanzânia, a Etiópia, a Quênia, o Burundi, o Sudão, a Ruanda e a Uganda. Toda a sua extensão corresponde a aproximadamente 6.695 quilômetros e sua bacia tem cerca de 3.000.000 quilômetros quadrados, sendo assim o 2° maior rio do mundo, atrás apenas do rio Amazônas.

Pela maioria do Egito ser composta por um grande deserto, o rio Nilo se fez importante para todas as civilização que ali habitavam – e que passavam por ali – pois era a fonte de abastecimento das famílias, era responsável por enriquecer o solo onde eram feitos os plantios e por proporcionar o bem estar para a vida de todos os seres vivos que ali viviam.

As cheias do Nilo aconteciam entre o período de Julho a Outubro e por esse fator que os habitantes daquelas terras na época estipularam como seria as estações do ano, onde a 1° estação correspondia as inundações e cheias que aconteciam de Julho a outubro; a 2° estação proporcionava o cultivo da terra que acontecia entre Novembro e Fevereiro; e a 3° estação era a época da colheita, no período de Março a Junho.

Todos os meses de Agosto os habitantes ribeirinhos ao rio Nilo comemoravam as cheias e a riqueza que aquela extensão proporcionava para eles. Comemoravam aos céus, aos seus deuses pelas inundações e cheias mandadas anualmente que eram responsáveis pelo alimento das famílias, pelo cultivo da terra e da esperança dos povos, pela vida melhor e pela natureza que davam a eles tudo o que precisavam para sua sobrevivência.

Os egípcios sempre utilizaram os recursos do Nilo. Entre os meses de Novembro a Junho, eles construiam vários diques em toda a extensão das civilizações para que fossem todos abastecidos na época da cheia, para que eles pudessem abastecer a terra e os seres vivos dali quando as chuvas fossem embora.

Mesmo sendo composto por três rios, o Nilo no final de todo o seu percurso, deságua no mar Mediterrâneo.

Pontos importantes do Tratado de Versalhes

Para encerrar de forma oficial a Primeira Guerra Mundial no ano de 1919, as potências europeias assinaram uma tratado para restabelecer a paz no continente europeu, o qual recebeu o nome de Tratado de Versalhes.

A principal questão sobre a qual o tratado determinava foi que a Alemanha se responsabilizasse pelas causas da guerra e reparasse nações da Tríplice Entente, os quais tiveram um grande prejuízo com a guerra.

Além disso, a Alemanha também perdeu parte do seu território para países com os quais fazia fronteira, teve o número de soldados em seu exército reduzido, a independência da Áustria foi reconhecida e pagou indenizações pelo estrago feito em detrimento da guerra.

Na Alemanha a assinatura de tal documento gerou bastante impacto na população, a qual ficou em choque e se sentiu humilhada, contribuindo assim para que a República de Weimar declinasse e o nazismo entrasse em ascensão.

Tratado.
(Foto: Reprodução)

No ano de 1921 foi determinado que a Alemanha deveria pagar o valor de 33 milhões para cobrir os danos que casou, tal situação fez com que a economia do país fosse de vez enterrada, uma vez que já tinha se abalado por causa da guerra. Assim, entre as décadas de 1920 e 1930 o país sofreu não apenas com uma crise moral, mas também econômica, onde houve aumento na inflação, desemprego e desvalorização do mercado.

Liga das Nações

A Liga das Nações ou Sociedade das Nações foi uma organização criada através do Tratado de Versalhes após o término da Primeira Guerra Mundial, a qual tinha como intenção unir as nações do planeta, mantendo a paz e a ordem por meio da mediação e arbitragem, de modo a fugir de eventos como o que acabara de destruir a Europa.

Cedências territoriais

Algumas cláusulas do tratado determinavam que a Alemanha perdesse parte de seu território para outros países, os quais anexou ou invadira em tempos anteriores, confira quais foram:

  • Área de 14.522 km² e 1.815.000 habitantes em 1905 à França.
  • Área de 3.984 km² e 163.600 habitantes onde se localizava a região de Schleswig-Holstein à Dinamarca.
  • Área de 53.800 km² e 4.224.000 habitantes em 1931 na região onde se localizava as províncias de Posen e Prússia Oriental à Polônia.
  • Área de 330 km² e 49.000 habitantes a Checoslováquia.
  • Para a Bélgica as cidades Eupen e Malmedy;
  • A província de Sarre e a cidade de Danzig para que fossem regidas pela Liga das Nações.

Como o tratado de Versalhes tinha um caráter muito punitivo para a Alemanha, muitos historiadores o colocam como uma das grandes motivações para o início da Segunda Guerra Mundial, a qual carregou um sentimento de revanche e abriu espaço para que se criassem estados nazi-facistas dentro da Europa.

Como foi dividida a Primeira República no Brasil

A Primeira República, também conhecida como República Velha, é um marco na história brasileira que teve início no ano de 1889, quando houve a Proclamação da República. O nome República Velha é utilizado em oposição ao período posterior a este, que se iniciou com Getúlio Vargas, o qual foi chamado de República Nova.

Os historiadores costumam dividir a Primeira República em dois períodos distintos: o primeiro período, conhecido como República da Espada, no qual o exército era quem dominava os setores em parceria com republicanos, tal período se estende até a Proclamação da República, sendo que durante tal época havia um certo receio da população pela volta da monarquia pela centralização do poder.

Já o segundo período é marcado pelo poder nas mãos de elites regionais, ficando conhecido assim como República Oligárquica, o qual vai até a Revolução de 1930. Nessa divisão por oligarquias as maiores forças eram de São Paulo e Minas Gerais, as quais faziam um rodízio sobre a presidência, hegemonia a qual foi denominada como política do café com leite, uma vez que o café paulista e o leite mineiro tinham um papel muito importante para economia do país.

Embora estivessem dispostos na Constituição Brasileira de 1891, os limites territoriais do país ainda eram uma questão que gerava bastante conflito, uma vez que não estavam totalmente delimitados. Confira a seguir então algumas das questões de limites pelas quais a República Velha passou durante a sua existência:

Bandeira do Brasil.
(Foto: Reprodução)

Zona de Palmas

Durante o período de 1890 à 1895 a Argentina reivindicou parte do que é hoje a Tocantins e Goiás, atestando que tais regiões fossem entregues a outros países da América do Sul.

O tratado para resolver tal pendência circulou pelos tribunais e ambos os países não chegaram a um acordo, tendo portanto que ser resolvido pelo presidente dos EUA, o qual decidiu pelo favorecimento brasileiro.

Amapá

O 1° Tratado de Utrecht estabeleceu os limites entre o Brasil e a Guiana Francesa, no entanto após a Revolução Francesa tal limite passou a ser questionado, ficando a cabo do presidente do Conselho Federal Suíço, Walter Hauser, ser o árbitro de tal conflito.

O barão do Rio Branco apresentou os argumentos a favor do Brasil, questão a qual já estudava desde o ano de 1895. No dia 1 de dezembro de 1900 a sentença arbitral foi promulgada, a qual foi favorável ao Brasil, mantendo desta forma a fronteira por meio do rio Oiapoque.

Ilha da Trindade

Tal ilha foi ocupada pelo almirantado britânico até que a diplomacia brasileira resolveu reclamá-la. Entretanto, a alegação era que a ilha havia sido abandonada e a pretensão era de instalar um cabo telegráfico submarino até Buenos Aires.

A Grã-Bretanha desistiu da ilha em 1896, quando o Brasil aceitou ajuda diplomática de Portugal, país o qual tinha documentos históricos a respeito do descobrimento da ilha.

Acre

Entre os anos 1899 e 1903 a Bolívia determinou que o território fosse ocupado, o que resultou na proclamação do Estado Independente do Acre pela própria população brasileira. A questão foi agravada com intenções do governo estadunidense em participar de um consórcio da região, fato o qual quase resultou em um conflito armado de porte internacional.

Para resolver tal problemática o barão do Rio Branco começou as negociações com a Bolívia, pretendendo pagar uma indenização para que o país abandonasse suas pretensões. Em 1909 foi promulgado o Tratado do Rio de Janeiro, o qual incorporou todo o Acre ao Brasil.

Pirara

No século XIX se intensificou a presença de imigrantes ingleses na faixa de divisão com o estado de Roraima, pois havia uma grande indefinição de fronteiras e a pretexto de proteger missionários britânicos que trabalhavam com a catequese para os índios.

Ficou a julgo do rei da Itália, Vítor Emanuel III decidir  quem submeter tal área, o qual pleiteou a maior parte para a Grã-Bretanha.

Além desse conflitos mencionados, o Brasil teve que fixar novos limites territorialistas por meio de tratados com países como a Guiana Holandesa, Colômbia, Uruguai e Peru.

Descubra onde fica a nascente do rio nilo qual é a extensão do rio

O Nilo é um rio que se situa no continente africano, estando a sua nascente ao sul da linha do Equador. É o maior rio de todo o planeta, tendo cerca de 7.088 km em extensão e ocupando uma área de 3.349.000 km².

Ele atravessa diversos países como Uganda, Tanzânia, Ruanda, Quénia, República Democrática do Congo, Burundi, Sudão, Sudão do Sul, Etiópia e Egito. Sua fonte mais remota se situa no “Nyungwe National Park” do Rwanda.

O rio Nilo deve a sua formação pela confluência de três rios: o Nilo Branco, o Nilo Azul e rio Atbara. Antigamente acreditava-se que o Nilo nascia no lago Vitória, entretanto estudos na região comprovaram que o próprio lago tem como origem o rio Kagera, o que torna ele a fonte no Nilo.

O Nilo e o Egito

Rio Nilo.
(Foto: Reprodução)

O Rio Nilo foi fundamental para o povo do Antigo Egito, tal civilização surgiu há 5 mil anos em um deserto do continente africano e  não teria sobrevivido se não fosse a ajuda do maior rio do mundo para suprir suas necessidades.

Durante o período da cheia, entre junho e setembro ele transbordava, fazendo com que o solo fosse fertilizado com matéria orgânica (humus), fenômeno o qual era o mais importante do rio para o país. A pesca também se tornou com o tempo uma atividade bastante presente, pois o mesmo tinha peixes em abundância, servindo desta forma para a comercialização e para o consumo do próprio povo.

De forma indireta, também ajudou o povo a desenvolver sua inteligência, pois os egípcios tinham que medir, calcular e planejar durante os períodos de cheia, movendo a população e construindo diques para proteger a cidade de possíveis catástrofes. Resultando assim no desenvolvimento da matemática e da geometria.

Como na época não haviam muitas estradas, muito menos automóveis, o rio servia para locomoção e transporte de pessoas e cargas, em embarcações dos mais diversos tamanhos.

O Nilo hoje

Hoje o rio ainda é muito importante, pois alimenta a usina hidrelétrica de Aswan, a qual foi construída em 1971 e teve um impacto direto na vida dos agricultores, uma vez que o rio não tem mais períodos de cheias ou vazantes, obrigando tais trabalhadores a adotarem métodos convencionais para o cultivo.

Curiosidade

De acordo com entidades da comunidade científica internacional, o rio Amazonas é o maior de todo o mundo, tendo sua origem nos Andes, no Peru, entretanto essa é uma questão ainda bastante polêmica e o tamanho dos dois rios ainda está em aberto, pois nenhum dos valores informados sobre a extensão foi confirmado e aceito oficialmente.