Quem governou a França durante 1799 e 1815

A tão aclamada Revolução Francesa com certeza fez o chão das poderosas monarquias europeias tremerem. Na própria França, o rei Luís XVI foi morto e mais outras centenas de nobres perderam suas cabeças na guilhotina. Apesar da revolução ter derrubado o governo opressor e centralizador do rei sol, os procedentes dessa ação política foram marcados por anos de terror e caos. (Para entender melhor sobre a Revolução Francesa, acesse uma matéria aqui do Dicas Free clicando aqui)

Para garantir algum tipo de poder político, foi criado o Diretório, forma de governo que encontrou muitas dificuldades em pacificar os ânimos. Burgueses e jacobinos não se entendiam e exerciam suas influências a todo custo para conseguirem privilégios e a concretização de seus ideais. Ocorreu que, como muitos previam, um governo autoritário iria se instaurar.

Napoleão Bonaparte – a herança da revolução

Bonaparte nasceu no ano de 1769 em Córsega, parte do território francês e desde cedo se dedicou a vida militar. Era um homem cativante, de boa retórica e de grande popularidade, além de ser um exímio estrategista. Aos 19 anos, assumia o posto de tenente na artilharia francesa, fazendo sua carreira militar até o posto de general, aos 27 anos.

Quadro de Napoleão Bonaparte (Foto: Reprodução)

O sucesso na carreira militar se deu principalmente devido as vitórias em batalhas na Itália e no Egito, guerras que ele venceu e com isso, garantiu ainda mais popularidade. Napoleão tinha todas as qualidades para assumir o comando da França e entoar a ordem naquele país. Não apenas devido ao caos, mas também as pressões monarquistas estrangeiras, Napoleão deflagra do Golpe 18 de Brumário em 1799, destituindo o Diretório e tornando-se o primeiro cônsul da França.

O primeiro governo ficou conhecido como consulado, ainda uma República francesa. Nessa etapa, Napoleão tentou manter seus esforços em garantir os interesses da burguesia (nova elite francesa) a força, reprimindo a imprensa, direitos individuais e caçando os opositores do governo. Até mesmo em outras  ações a burguesia foi inegavelmente favorecida.

No consulado, podemos citar como grandes feitos como a criação do Banco da França e o estabelecimento de uma nova moeda mais forte e protecionista; o Código Napoleônico, que em tese garantia direitos iguais a todos perante a lei, direito a propriedade privada, casamento civil, entre outros; concordata com a Igreja Católica; reestruturação do sistema educacional francês.

Expansionismo Napoleônico

As relações diplomáticas com Inglaterra já não estavam boas e o reinício das guerras em 1803 proporcionou o momento perfeito para que Napoleão fundasse o novo império romano. Contrariamente a revolução e tendo apoio dos burgueses, Napoleão cria uma nova Constituição para legitimar o império e convoca um plebiscito. O império é aceito com aproximadamente 60% os votos.

Em 1804, Napoleão se tornava o novo imperador da França com poderes praticamente absolutos. Prisões arbitrárias, perseguições aos opositores, repressão da liberdade de expressão e até mesmo interferências no setor educacional francês para o controle de matérias perigosas ao regime tornaram-se comuns.

A coroa francesa agora virava-se para o mundo e assumia sua postura imperial e expansionista. Sucessivas invasões vitoriosas estenderam as fronteiras da França e tornaram seu exército o mais poderoso da Europa. A aliança entre Inglaterra, Rússia e Áustria perdia muitas batalhas em terra, mas tornava-se vitoriosa em mar devido a marinha real inglesa.

Invadir a Inglaterra por mar tornou-se uma tarefa inviável ao exército napoleônico. A solução encontrada foi o Bloqueio Continental, uma proibição a todos os países europeus a abrirem seus portos para Inglaterra, uma tentativa de sufoca-la economicamente. Alguns países não aderiram ao bloqueio, como Portugal, por exemplo, no famoso fato da vinda da família real ao Brasil para estabelecer uma nova sede do império Português.

Rússia e Áustria também não aderiram, apesar de terem se aliado a França, não conseguiram sustentar o bloqueio por muito tempo. Isso fez com que napoleão invadisse a Rússia e mesmo vencendo várias batalhas, teve de se retirar devido ao inverno rigoroso. Áustria e Prússia juntaram-se a Rússia e invadiram Paris em 1814, tomando a cidade e estabelecendo o governo de Luis XVIII.

Uma fuga espetacular

Napoleão foi exilado em uma prisão da ilha de Elba, onde teve de reconfigurar suas mais novas estratégias. Conseguiu recrutar alguns guardas para seus ideais e fugiu em março de 1815. Com movimentação de melícias e convencendo centenas de pessoas a segui-lo, o antigo monarca conseguiu depor Luís XVIII e assumir novamente o poder.

Esse ficou conhecido como o Governo de Cem Dias. Napoleão tentou uma última investida militar contra a Bélgica, mas foi derrotado na Batalha de Waterloo, sendo aprisionado na Ilha de Santa Helena. Nessa ocasião, o antigo general francês não pôde fugir e acabou falecendo em 1821.

Os dois atores em Império terminam namoro

Atores terminam namoro

Confirmado o término do relacionamento de 3 anos dos atores da novela das 8, Império (transmitida pela emissora de TV Rede Globo). Klebber tem 28 anos e Marina 19, os empresários de ambos declararam que o fim do relacionamento é amigável e foi uma decisão tomada em dupla.

O início do relacionamento ocorreu durante uma outra novela, “Morde e Assopra” também transmitida pela mesma emissora de TV. Segundo amigos próximos ao casal, nenhum dos dois quer falar sobre o assunto e até então não se sabe exatamente o motivo do fim.

Klebber Toledo interpreta Leonardo, o amante de Cláudio (José Mayer), enquanto Marina Ruy Barbosa vive Ísis, uma jovem garota que se relaciona com um homem também casado, o poderoso e protagonista José Alfredo, na pele de Alexandre Nero.

Klebber Toledo e Marina Ruy Barbosa (Foto: Divulgação)

A última vez em que os jovens atores apareceram juntos foi exatamente na festa de estréia da novela. Amigos próximos dos dois garantem a imprensa que não houve nenhum tipo de briga ou traição, apenas o comum acordo de que a relação não estava mais adequada para vida de ambos.

Império Bizantino: Resumo completo e Revolta de Nika

O Império e Constantinopla

O Império Bizantino se consolidou na cidade de Constantinopla, recebeu esse nome devido ao antigo nome da cidade, Bizâncio, quando o Imperador romano Constantino resolveu mudar a capital do império romano para Bizâncio a primeira ação do imperador foi mudar o nome da cidade para Constantinopla.

A mudança da capital romana foi por vários fatores, mas o mais relevantes que se pode destacar foi a localização privilegiada de Constantinopla que ficava entre o Ocidente e o Oriente, e portante era quase que um centro comercial obrigatório para quem não queria se arriscar nos perigos do mar, ou nos terras dos bárbaros.

Bandeira do Império Bizantino

O Império Bizantino ficou caraterizado principalmente pela consolidadão das leis romanas e do combate as heresias de outras religiões contra o cristianismo, entretanto mesmo tendo como religião oficial o cristianismo a diversidade dentro de Constantinopla era muito grandes, muitos povos se encontravam naquela região, o surgimento de heresias era quase inevitável.

Revolta de Nika

Foi em Constantinopla que também uma das mais conhecidas revoltas populares, a chamada revolta de Nika, na qual a população durante uma corrida de bigas estava insatisfeita com o governo e saio para as ruas em uma grande revolta.

Os Imperadores

Um dos imperadores mais conhecidos no Império Bizantino foi Justiniano, ao qual teve como seu maior feito a reformulação do direito romano, no qual nos inspiramos até hoje, dai o termo, justiça, durante o reinado de Justiniano o investimento sobre agricultura e outros setores de desenvolvimento se elevaram bastante, chegando ao ápice do império bizantino.

Conflitos

Com toda a heresia que havia surgido no império, principalmente por parte do arianos, o governo resolveu toma medidas mais drásticas e destruiu todas as imagens que haviam na cidade, foi nesse mesmo período em que a capital do império romano ocidental e a capital do império oriental entraram em conflito pela igreja católica, provocando a famosa divisão das igrejas entre Romana Católica e Ortodoxa Grega, em 1453 os Turcos Otomanos tomaram a cidade de Constantinopla e assim continuou, hoje conhecida como a cidade de Istambul na Turquia.

Tudo sobre a China Antiga e atual: Cultura, economia, religião e resumo completo

A China atualmente é um imenso país – um dos maiores do mundo – em extensão territorial e o país mais populoso do mundo. A população chinesa, apesar de grande parte das pessoas enxerga-la como única e singular, é grandemente diversificada em aspectos culturais em quase todo o território chinês, devido a sua loga história de dinastias e ocupações.

China Antiga

Não é correto utilizar a expressão que acomoda a palavra China aos períodos mais antigos da civilização humana. Isso porque a China de hoje não acomoda todas as transformações sofridas durante o tempo pelo povo chinês. Povo esse também que não pode ser simplesmente espremido e comprimido em uma única expressão incapaz de diversifica-los.

A região onde esses povos se estabeleceram cerca de 300 mil anos atrás possuía clima um tanto variado e as sociedades orientais tiveram que se adaptar as constantes cheias e secas que ocorriam. Apesar da difícil tarefa, logo os primeiros grupos humanos se estabeleceram e começaram o plantio de arroz, inhame e outras raízes aproximadamente a 8500 anos, idade a qual foi possível recuperar evidências arqueológicas.

As sociedades chinesas estão entre as mais antigas do mundo justamente por se organizarem em complexos habitacionais mais rapidamente. A sofisticação de seus materiais e do estilo de vida também permitiu que esses povos superassem as grandes dificuldades naturais. A primeira dinastia chinesa pode ser definida – assim como algumas outras – como uma grande e poderosa cidade estado chamada de Xia, porém não se tem muitas informações sobre esse período.

Grande Muralha – terminada na Dinastia Ming

A dinastia mais antiga a se ter evidências e descobertas mais concretas é a Shang do século XIII a.C., que viria após a dinastia Xia. As descobertas sobre A dinastia de Shang impelem em uma sociedade muito organizada e estratificada, onde o monarca regente tinha grandes ocupações cerimoniais e cuidados administrativos.

Os Shang tiveram cerca de 11 monarcas até o declínio do  reinada para outro contemporâneo ao deles, os Zhou, que são considerados a próxima dinastia importante. O Estado de Zhou derrotou Shang em batalhas e se desenvolveu em outras regiões do sudeste. A origem dos Zhou é um tanto complicada, alguns historiadores chineses acreditam que eles tenham descendido de turcos, porém estima-se que apenas tivessem proximidade para com eles.

No século V a.C. o grande territória abrigava 7 grandes estados independentes e não unificados que se ocupavam em disputas entre sim ocasionalmente. A China imperial tem sua existência iniciada quando o estado de Qin inicia uma campanha militar pela unificação de vários estados em um só império. Deste modo, inicia-se a Dinastia Qin que também iniciou a construção da Grande Muralha que seria continuada em outras dinastias mais adiante.

Em aproximadamente 202 a.C.  dinastia Hans tornaría-se uma das mais importantes. O incentivo a ciência e educação foi ampliado e a Rota da Seda foi estabilizada com o ocidente.As disputas entre a nobreza e uma tentativa de impulsionar a reforma agrária fez com que os Hans perdessem a força e fossem sucedidos pelos Jin.

Os Jin por sua vez enfrentaram uma grave crise entre a população que cada vez mais se desunificava devido as diferenças culturais e de parentesco Hans. A desunificação aconteceu em vários setores e os mesmos só foram reunificados durante a dinastia Sui, que mesmo assim após pouco tempo declinou pelo esgotamento de recursos.

A dinastia Tang ressurge os povos unificados em aspectos econômicos, estruturais e tecnológicos. Também foi adotado a religião budista pela família imperial e grande parte do povo. Devido a grandes revoltas e guerras, essa dinastia chega ao fim em 960 quando a dinastia Sung entra em cena. Separada dos outros estados, os sungs se desenvolveram tecnologicamente e militarmente com bastante rapidez devido aos intensos combates fronteiriços.

Essa hegemonia militar foio calada pelo império mongol de Gengis Kan que subjugou e aderiu todo o território ao império. Os estados agora foram unificados a força e por um agente externo. Porém, influenciado pelas ideologias Hans, os governante mongol responsável por esse território decidiu enquadrar-se nos esquemas culturais Hans.

Modernidade Chinesa

Várias rebeliões camponesas incentivadas ao repúdio estrangeiro expulsara os mongóis do território e a dinastia Ming. Essa dinastia adotou políticas publicas para minimizar a pobreza causada pela ocupação mongol por vários anos. Um grande levantar econômico se registrava na China por possuir grande comércio e produção para exportação. A fim de impedir novas penetrações no território, foi dado continuidade a construção da grande muralha e confecção de um exército de um milhão de homens.

Monumento ao Partido Comunista Chinês

A dinastia Ming viu-se fracassada quando os manchus invadiram e conquistaram o território Ming, avaliando rapidamente o sistema de governo, adaptando-se e e exigindo mudanças quanto a cultura e outros aspectos a força. isso gerou enorme descontentamento por parte do povo das nobrezas agora pertencentes a dinastia Qing. Levantes revolucionários fizeram a diferença no império, porém a guerra do ópio e outros conflitos com diversas nações – inclusive britânica e japonesa – acabaram por invalidar as forças Qings.

O desejo de modernização do país por parte de muitos intelectuais foi inflamado durante esses anos. O partido comunista surgiu logo após o tratado de Versalhes e foi ganhando força em numerosas batalhas. Grandes líderes comunistas como Mao Tse Tung surgiram nesse momento na China para expandir os ideais comunistas.

China Contemporânea

No dia 1 de outubro de 1949 foi proclamada a República Popular da China separada do governo de Taiwan que se considerável parte legítima da China. Esse impasse continua até hoje, onde um não considera o outro como país participante, apesar de estarem extremamente ligados com trocas comerciais importantes.

Atualmente, a China é a segunda maior potência mundial com PIB de 7,3 trilhões de dólares e renda per capta de 8.395 dólares por pessoa, perdendo apenas para os Estados Unidos. O Boom da economia chinesa se deu no processo adoção da economia mista, que permitiu status de privatização mesmo em um país comunista.

Proclamação da República Popular da China por Mao Tse Tung

O crescimento robusto chinês deu-se principalmente a intensa exploração ambiental e também exploração de trabalho humano. Centenas de empresas multinacionais instalaram fábricas no país que hoje é o que mais produz produtos eletrônicos, por exemplo, devido a mão de obra barata e a obra prima em grande quantidade.

A educação chinesa é considerada pelo governo foco de estratégia nacional, onde atualmente 99,3% dos habitantes são alfabetizados. O nível das escolas chinesas tem aumentado gradativamente, com um nível considerável nos patamares e também variantes de acordo com a região.

Xangai – símbolo da economia chinesa

O governo aceita um certo nível de religiosidade diversificada entre os chineses, mas só as religiões que entram em suas listas governamentais. Em base, o país é 42% agnóstico ou ateu, religiões tradicionais chinesas e taoísmo representam cerca de 30% e budismo cerca de 18%.

O poderio militar da china também está entre um dos melhores e mais tecnológicos do mundo, apresentando invenções surpreendentes nas feiras militares mundiais e aumentando o contingente militar a cada ano. A situação social do país é problemática principalmente pelo número sufocante de pessoas nos espaços urbanos e os baixos salários pagos a grande maioria chinesa.