Como ter uma letra bonita e legível

Não é todo mundo que tem uma letra bonita e legível. Porém, mais importante do que ter uma letra bonita, é ter uma letra que as pessoas possam entender o que está escrito.

Hoje, é comum encontrar pessoas que possuem letras ilegíveis, principalmente por conta do mundo tecnológico, onde a digitação participa mais do nosso dia a dia, do que a escrita à mão.

Caso não possua uma letra bonita e legível, não perca as esperanças, ainda dá tempo de conquistar uma letra legível, porém será preciso praticar. Diante isso, compreenda que a letra cursiva tem um papel importante para uma letra legível.

Treinar escrevendo com uma letra cursiva, ajuda a distinguir a separação das palavras, assim como a treinar a mente e a evoluir diante outras funções, por exemplo, pegar prática para desenhar, até mesmo mapas e gráficos.

Veja a seguir, dicas para ter uma letra bonita e legível.

• Primeiramente, evite usar materiais de qualidade ruim, pois prejudicam a legibilidade da escrita.
• Papéis pautado: busque encontrar papéis pautados que sejam apropriados para o tamanho da sua letra, para que assim as linhas sejam compatíveis, ajudando a melhorar o seu treinamento.
• Busque encontrar uma caneta que combine com a sua escrita, pois existem vários tipos de canetas, por exemplo: caneta-tinteiro (ponta flexível para caligrafias mais elaboradas), canetas esferográficas (possui uma tinta viscosa), canetas rollerball (tinta à base de água, possui viscosidade menor), canetas tipo gel (mais espessa), canetas com pontas de feltro (macia, tinta seca).
• O uso de lápis também é recomendado, até por que dá para apagar com a borracha, porém é importante treinar tanto com o lápis, quanto com a caneta. Procure encontrar um lápis, lapiseira ou caneta, que não machuque as suas mãos, mas que dê conforto.
• Cadernos de caligrafia também são recomendados. Reserve duas horas do seu dia no máximo para treinar. Ter um diário, também é uma opção válida, pois além de treinar, você estará se distraindo ao escrever algo sobre si, logo, deixará de ser algo mecânico. Escreva redações sobre temas que te interessam.
• Mantenha por perto um pano para secar as mão, caso elas comecem a suar. Pode ser que dê calos nas mãos, secá-las ajudará a evitar. Além disso, existem um tipo de almofadinhas para lápis, que também ajudará a evitar os calos.
• Ao escrever é importante não apoiar o braço e o pulso, mantenha-os longe da superfície, deixe-os elevados. Assim, ajudará a ter uma letra bonita e legível.
• Não desista, mantenha a sua concentração, pois logo atingirá uma letra bonita e legível. Mesmo nos momentos em que ocorrer cãibra, espere uns minutos e volte, para não perder a pratica. Haverá momentos em que a letra não sairá legível, muito menos bonita. Será o momento de ter força, para apagar e recomeçar quantas vezes for preciso. Não perca o incentivo, não se acomode a uma letra ilegível, busque ter uma letra bonita e legível, até conseguir.

Aprenda como ensinar seu filho a ler e escrever

Alfabetizar é uma tarefa que traz um sentimento de realização não somente para quem acaba de aprender algo novo, como as crianças, mas também para quem ensina, por conseguirem propiciar tal momento a estes seres tão despreparados e inocentes.

Para você que pretende começar a ensinar seu filho a ler e escrever em sua própria casa preparamos um guia com o passo a passo demonstrando todas as etapas do processo, com ferramentas, táticas e metologias e serem utilizadas.

  1. Leia para seu filho

Para que seu filho consiga desenvolver a leitura e a escrita é necessário que anteriormente ele tenha contato com tais elementos. Desta forma, é imprescindível que o interesse pela leitura seja despertado o mais breve possível. Leia histórias diariamente, se possível comece até mesmo enquanto seu filho for bebê, escolhendo livros condizentes com o nível de compreensão dele.

Conforme a criança for evoluindo você deverá aumentar o nível de dificuldade dos livros acima da compreensão que ela tem, de modo que seja instigada a se esforçar para assimilar as informações. Não se esqueça de escolher livros que contenham uma história interessante e também aqueles que estimulam outros sentidos, como o tato, olfato e audição, de modo que a criança interaja com o objeto e desenvolva outras habilidades.

  1. Perguntas interativas

Mesmo que a criança não saiba ler, ela pode ainda compreender aspectos do texto. Assim, ao contar a história você poderá questionar a criança sobre elementos do texto, como personagens, cores, cenários, entre outros, aumentando o nível de dificuldade conforme a criança evoluir.

Por exemplo, se você utilizar o clássico da literatura “João e o pé de feijão”, pode estar fazendo perguntas como: Quantos feijões João plantou? O que tinha em cima do pé de feijão? Quem estava dentro do castelo? Qual era o segredo do gigante?

Tais perguntas te farão perceber se tal história motivou a criança a ponto dela ficar interessada e prestar atenção aos detalhes do texto.

Alfabeto.
(Foto: Reprodução)

  1. Acesso a livros

Se você tiver uma biblioteca em casa é importante que os livros estejam ao acesso das crianças. Por isso, os mantenha em lugares mais baixos e em locais onde a criança tem o costume de brincar, pois assim associará a leitura ao lúdico.

Caso você não tenha muitos livros em casa, a indicação é que procure obter acesso a alguma biblioteca pública mais próxima a sua residência, na qual você poderá encontrar e pegar emprestado temporariamente diversos títulos de literatura infantil disponíveis.

  1. Associe palavras e sons

Antes de ensinar as letras do alfabeto e cada som correspondente é necessário que a criança consiga fazer uma assimilação da grafia das palavras com seus respectivos sons. Tal processo irá ajudar a criança a compreender o padrão que existe entre a forma e o som das palavras a medida em você estará lendo os textos para ela.

  1. O alfabeto

Após o momento em que a criança já se tornou consciente das palavras é hora de inserir o alfabeto, desmembrando as palavras a sua forma mínima: as letras individualmente. Utilize a música do alfabeto para que decore mecanicamente todas as letras, em seguida faça uma explicação demonstrando que cada letra tem um nome, associando de tal forma a fonética com a grafia.

As letras minúsculas devem ser ensinadas primeiramente, pois elas são as que formam boa parte das palavras impressas, facilitando portanto o processo de assimilação com elementos e produtos do cotidiano, como embalagens de produtos, agendas telefônicas e outros materiais escritos.

Este é o momento propício para se utilizar jogos lúdicos, como pescaria com letras de isopor, massinha de modelar, boliche de alfabeto, entre outros. Esses jogos com teor interativo estimularão bastante o desenvolvimento cognitivo da criança de forma satisfatória.

  1. Fonética

Um dos passos mais fundamentais durante o processo de alfabetização é quando se ensina que o som falado corresponde a uma letra ou um par de letras. Tal situação recebe o nome de consciência fonética. No alfabeto que utilizamos existem 44 sons resultantes das 26 letras, seja isoladamente ou em combinação, como por exemplo, nos casos do ‘ch’ e ‘nh’.

Utilize exemplos do cotidiano, como por exemplo, caso comece pela letra “A” fale para a criança que ela tem o som de “á”, assim como no começo da palavra “abelha”. Você pode até mesmo transformar isso em um jogo de adivinhação, onde você falará uma letra e a criança deverá dizer uma palavra que comece com tal letra, fazendo assim uma correlação entre sons e letras.

  1. Gramática

O pensamento da criança que está na fase pré-escolar ou infantil costuma ser bastante concreto, tendo geralmente dificuldades para lidar com conceitos complexos, como são  as vogais e consoantes. Qualquer criança é muito bem capaz de ler sem tais regras. Posteriormente ela aprenderá questões relacionadas a gramática formal, no entanto agora você deve focar apenas na habilidade mecânica da leitura, como a decodificação de novas palavras.

Ritmo

Saber respeitar o ritmo próprio que a criança tem é fundamental durante o processo de alfabetização. Não adianta tentar adiantar os conteúdos enquanto o seu filho não está preparado para receber esse tipo de informação.

Se o seu filho começar a ler e escrever mais tarde que as outras crianças, não quer dizer que ele tenha algum problema de aprendizagem ou inteligência, pois é muito comum que as crianças demorem para atingir o nível de maturidade necessário para essa tarefa.

Siga nossas dicas, tenha paciência e perseverança. O processo pode ser longo, mas os resultados são encantadores.

Veja como realizar as considerações finais de um trabalho

A dissertação é um tipo de redação onde o autor irá expor ideias para defender determinado ponto de vista a respeito de um assunto. Para isso ele parte de um argumento que seja bem estruturado de modo a chegar a uma conclusão. A dissertação é divida em três partes distintas: introdução, desenvolvimento e conclusão.

A introdução é a abertura do texto, sendo assim a parte responsável por apresentar a ideia inicial sobre a qual o texto irá tratar, deve conter muita clareza, pois envolverá o problema que será discutido. A recomendação é que sua exposição seja em apenas um parágrafo.

O corpo do texto é chamado de desenvolvimento, local onde os argumentos são posicionados. O argumento utilizado pode se classificar de diferentes forma: de autoridade, por ilustração, do pensamento lógico, de prova concreta e de competência linguística.

A conclusão é a parte que deverá conter uma síntese de tudo aquilo que já foi abordado no trabalho, não apenas fazendo uma relação com as ideias apresentadas dentro do texto, mas fazendo um fechamento sobre o assunto tratado.

Nessa parte é possível até mesmo fazer comentários tomando certo partido sobre tais ideias, conceitos e situações, sendo assim o único momento em que o eu lírico poderá dar sua opinião.

Muitas pessoas tem dificuldade sobre como iniciar a conclusão, confira então alguns trechos de frases que você pode estar utilizando para iniciar a parte final do seu trabalho:

Trabalho escolar.
(Foto: Reprodução)

  • Desta forma percebemos que..
  • Em virtude dos fatos mencionados…
  • Por isso tudo…
  • Notamos assim que..
  • Levando-se em consideração esses aspectos…
  • Dessa forma…
  • Em virtude dos fatos apresentados…
  • Em vista dos argumentos apresentados…
  • Dado o exposto…
  • Tendo em vista os aspectos observados…
  • Levando-se em conta o que foi observado…
  • Em virtude do que foi mencionado…
  • Por todos esses aspectos…
  • Pela observação dos aspectos analisados…

O principal defeito que carregam algumas conclusões acontece quando o autor não consegue finalizar e fechar a ideia com a qual até então estava trabalhando. Nesta parte deve-se também evitar utilizar expressões como “em resumo”, “concluindo” e “terminando”.

Par facilitar a estruturação da sua conclusão faça um breve resumo de todos os pontos que até então foram abordados no texto. Você deve lembrar o leitor do que ele veio lendo, para isso utilize sentenças semelhantes as que já foram utilizadas para expor a ideia central de cada parágrafo do texto.

Não se esqueça de fechar o seu trabalho com lógica, ou seja, ele não deve conter diversos lados de uma questão, o seu argumento deve ser preciso e para isso não é necessário abordar detalhes a respeito do assunto.

Carta de amor para namorado evangélico

Atualmente é muito comum pessoas mandarem umas às outras recadinhos via celular, principalmente com a febre dos aplicativos.

Mas você pode voltar a moda antiga e enviar cartas ao seu namorado, um jeito muito mais romântico de demonstrar amor. A partir de agora, acompanhe inspirações que podem fazer toda diferença na hora de formatar a sua! Acompanhe!

1° modelo

“Amor, obrigada por fazer parte da minha vida.
Obrigada por confiar em mim.
Obrigada por tudo meu amor!
Agradeço ao nosso bom Deus, que este possa derramar graças sobre nós.
Que o nosso relacionamento continue firme e abençoado cada vez mais
pelo nosso Senhor e por nossas famílias.

Sabe, vejo o tanto que Deus foi maravilhosos conosco.
Sim! Porque fomos feitos um para um outro, nos merecemos.
Você meu amor, é o homem a quem Deus me confiou.
Eu sou a mulher enviada por Ele para ajudar a guiar teus passos.

Amor, é uma felicidade plena que sinto.
Meu coração está como um rio prestes a transbordar.
Estou muito, muito feliz em ser sua namorada.
Assim como o fogo que arde intensamente,
Espero que o nosso relacionamento seja enérgico a cada dia que passa.
Te amo muito meu amor!
Estou a orar por ti todos dias para que as graças sejam derramadas sobre ti. Estou ao seu lado. Sempre estarei!”

Carta de amor para namorado evangélico.
(Foto: Reprodução)

 2° modelo

“Começo escrevendo esta carta agradecendo a Deus por ter lhe dado o dom da vida. Agradeço também por ter-lhe colocado em minha vida. Saiba amor, você é uma das pessoas mais importantes presentes no meu cotidiano.

Sinceramente, não sei o que seria de mim sem você. Pois, sempre que estou triste você dá algum jeito de me fazer sorrir ou quando vacilo você me chama atenção. Obrigada por todos os momentos que estou passando ao seu lado. Está sendo único. 

Sempre oro à Deus para que o nosso relacionamento continue fiel em seu firmamento. Também para que nada possa acontecer conosco. Te amo de todo meu coração. Sei que mesmo estando distante o seu coração bate no mesmo ritmo que o meu. Isso chama-se amor, somos um par perfeito. Fomos simplesmente feitos um ao outro.”

Carta de amor.
(Foto: Reprodução)

3° modelo

“Olá amor da minha vida! Escrevo esta carta para dizer que o amo muito. Que Deus abençoe hoje, amanhã e sempre o nosso relacionamento.

Confesso que não seria nada sem Deus primeiramente e sem você. Por ti tenho enorme carinho e admiração. Rezo, agradeço, mas também peço a Deus para que guie seus passos e que abençoe tudo o que fizer ou tocar. Te amo muito, de verdade. 

Nosso amor é firme como uma rocha. A rocha é Deus quem nos sustenta nos momentos mais turbulentos. Meu querido, para você desejo o melhor, sempre.

Eu te amo imensamente e intensamente. Obrigada por tudo que faz por mim. Sou realmente muito grata. Obrigada por me amar porque neste momento sinto-me a mulher mais feliz do mundo.

Te amo muito, príncipe meu!”

Com estes modelos, agora é se inspirar e escrever a sua! 

Som dos animais

Os seres humanos, durante milhares anos e até hoje, desenvolveram sistemas de linguagens baseados na vocalização, no conjunto de signos sonoros que compõem diferentes significados quando proferidos em diferentes ordenamentos. Comumente, chamamos isso de “fala” ou “língua”, sendo que cada agrupamento humano construiu sua linguagem falada de acordo com seus parâmetros culturais.

Apesar dos seres humanos também se comunicarem por meio de ruídos e gestos, basicamente a linguagem nos difere dos animais. Esses porém, possuem diferentes formas de comunicação impressionantes. Os macacos por exemplo, além de vários tipos de sons dotados de diferentes significados, desenvolvem uma linguagem de sinais gestuais perfeitamente compreendida pelo bando.

Sons dos animais

Em relação aos sons dos animais em geral, são utilizados em diferentes tonalidades e intensidades. A comunicação por meio dos sons pode ser se intimidação, intimação, atenção, verificação, acasalamento, entre outras. Basta observar bem o seu cachorro por exemplo, e você vai perceber que cada som é utilizado para algum tipo interação.

Leão: Ruge (foto: reprodução)

Apesar disso, a nomeação dos sons dos bichos é generalizada para cada tipo de animal, até mesmo para facilitar dissertar e falar sobre o assunto. No português do Brasil, existem diferentes nomeações para cada tipo de ruído animal. Confira logo abaixo:

Leão: Ruge

Burro: Zurra

Cabra: Berra

Boi: Muge

Cavalo: Relincha

Cobra: Sibila

Cão: Late, Ladra

Cuco: Cuca

Corvo: Crocita

Grilo: Canta

Galinha: Cacareja

Hiena: Ulula

Gato: Mia

Lobo: Uiva

Pato: Grasna

Macaco: Guincha

Papagaio: Palra

Pássaro: pipila

Peru: Gruguleja

Porco: Grunhe

Pombo: Arrulha

Urso: Brame

Tigre: Ronca

Saco: Coaxa

Inseto: Zumbe

Mocho: Pia