Historia de Brasília Distrito Federal

A cidade de Brasília, capital do Brasil, hoje constitui-se como Distrito Federal e atribui-se importância administrativa ao Estado brasileiro. Não apenas uma mudança geográfica da capital, a transferência da capital para o interior do país foi marco de descoberta e ocupação do Brasil pelos próprios brasileiros, levando o desenvolvimento das regiões costeiras para o grande cerrado.

Símbolo de modernidade e grandiosidade de nosso país, a cidade tem como seus primórdios, uma idealização que vinha desde a colônia brasileira, quando a capital do país situava-se em Salvador, na Bahia. A história de Brasília perpassa no tempo apenas como uma ideia ousada, mas encontra, no século XX, a época mais propícia para sua fundação.

Em um passado distante

As primeiras ideias de mudança da capital do Brasil que se tem notícia podem ter surgido por volta de 1750. Nessa época, o território brasileiro era

Marques de Pombal (fonte: wikipedia) (Foto:Reprodução)

parte do Reino de Portugal, assim como todas as pessoas que moravam na colônia eram – apesar de brasileiros – portugueses, fiéis a coroa de Portugal. Enquanto muitos brasileiros se aventuravam no interior da colônia em busca de ouro, o cartógrafo Francisco Tosi Colombina que mapeava parte daprovíncia de Goiás propunha a ideia de mudança da capital.

Mas talvez tenha sido o famoso Marques de Pombal que tenha dado o primeiro ar de ousadia na idealização da futura capital. Não apenas a capital da colônia, Pombal propunha a mudança da capital de todo o reino para o sertão da colônia em 1761. Apesar disso, dois anos mais tarde a capital da colônia até então situada na cidade de Salvador mudaria para o Rio de Janeiro, no sudeste.

Em 1789, o marco histórico conhecido como Inconfidência Mineira lutava pela independência da colônia e associavam uma mudança de capital do Rio de Janeiro para São João Del Rey, em Minas Gerais. Porém, como é de conhecimento de todos, o movimento fracassa e é sufocado pelas tropas portuguesas.

Novos ares da Unidão dos Reinos

Em um jogo político entre Inglaterra e França, o rei Dom João VI de Portugal deu sua cartada final, revelando seu apoio a Inglaterra perante o Bloqueio Continental proposto por Napoleão Bonaparte para sufocar a rainha dos mares. Para evitar a retaliação francesa e perda de seu império, Dom João VI – juntamente a família real e nobreza – decide migrar para a capital mais bem estruturada de suas colônias, a cidade do Rio de Janeiro em 1808.

Feito isso, a colônia do Brasil deixa de ser colônia sem ao menos precisar de uma independência. O rei unifica o império que no ano de 1815 assume o nome de Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarve. Durante todo esse percurso histórico, um jornalista em Londres chamado Hipólito José da Costa funda o jornal Correio Braziliense, que de forma clandestina chegava ao Brasil.

Primeira edição do Correio Braziliense (Acervo digital do Correio Braziliense disponível em objdigital.bn.br/)  ( Foto:Reprodução)

Estampada em suas páginas, pela primeira vez de forma pública e alarmante, o jornalista proclamava a mudança da capital do império do Brasil para o interior, desbancando até mesmo a cidade do Rio de Janeiro como merecedora de tal título. O jornal fechou pouco antes da unificação dos impérios, em 1813.

Antes mesmo da independência do Brasil, o ministro do império, José Bonifácio já se tornava conhecido por defender uma interiorização da capital. Depois da independência, em 1823, Bonifácio apresentou a ideia durante a Assembléia Constituinte e Legislativa daquele ano. Chegou até mesmo a sugerir dois nomes: Petrópole ou Brasília. O nome Brasília havia sido proposto por uma publicação anônima no Rio de Janeiro.

 O império do Brasil estava se acostumando e se organizando fora dos domínio de Portugal. O historiador e diplomata Francisco Adolfo de Varnhagem, encaminha por correspondência ao Instituto Histórico Geográfico Brasileiro (IHGB) a necessidade de se interiorizar a capital do Império. Pela primeira vez, a mudança da capital tornou-se um dos objetivos políticos do país, tendo o seu primeiro projeto bem estruturado e fundamentado apresentado pelo senador Antônio Franscisco de Paula de Holanda Cavalcante de Albuquerque.

Os horizontes da República

Com o desgaste do reinado de Dom Pedro II, o império do Brasil sofreu um golpe militar que instaurou a República e expulsou a família real das terras

Mapa do Brasil feito pela Missão Cruls. (foto retirada de http://www.cultura.df.gov)

brasileiras em 1889. A então República dos Estados Unidos do Brasil redige sua constituição em 1891. Nela, é expresso de forma clara que o Rio de Janeiro seria o Distrito Federal de forma provisória, que no planalto central uma área de 14.400 km² ainda a ser demarcada ficaria pertencente a União para estabelecer-se a futura capital federal.

Um ano depois, o presidente da república Marechal Floriano de Peixoto funda a Comissão Exploradora do Planalto Central do Brasil, que atuaria sob a chefia do astrônomo Luiz Cruls para estudar o planalto central e demarcar o local da futura Capital Federal. Até 1894, a Missão Cruls enviaria o relatório geral oficial dos estudos e demarcações a União que propiciou a impressão do primeiro mapa do Brasil já com a futura capital demarcada. Ela ficaria conhecida como o Quadrilátero Cruls.

Equipe da Missão Cruls (Acervo Público disponível em http://www.senado.gov.br/) ( Foto:Reprodução)

Em 1922, uma pedra fundamental é erguida aos arredores de Planaltina para comemorar o primeiro centenário da independência do Brasil. Um pouco mais tarde, em 1937, Getúlio Vargas deflagra o golpe que institui o Estado Novo. A nova constituição não menciona a mudança da capital. O projeto da Marcha para o Oeste também não via a mudança da capital como objetivo. Após a redemocratização do país em 1846, uma nova missão, chefiada pelo General Djalma Polli Coelho, é enviada para averiguar os trabalhos da Missão Cruls e retorna com o aval de que o quadrilátero é o melhor lugar para construção da futura capital.

Pedra Fundamental em Planaltina (disponível em http://doc.brazilia.jor.br/) (Foto:Reprodução)

Uma promessa ousada

No dia 4 de abril de 1955, o candidato a presidência Juscelino Kubitschek de Oliveira foi inquirido pelo jovem Antônio Soares Neto em seu primeiro comício político, na cidade de Jataí em Goiás, a respeito da mudança da capital. O candidato responde que se eleito, faria cumprir a constituição e construiria a nova capital do Brasil.

Em 1956, Juscelino é empossado presidente da República e cumpriria um mandato de 5 anos. Junto a seus companheiros políticos, elabora projetos para cumprimento de suas metas, dentre elas, a construção da nova capital. Envia ao congresso um projeto de lei – chamada de Mensagem de Anápolis – para a construção da cidade que mais tarde faria se oficial na Lei nº. 2874, de 19 de setembro de 1956, que delimitava oficialmente o espaço da futura capital, assim como o Sítio Castanho e a criação da NOVACAP, a Companhia Urbanizadora da Nova Capital, definindo o nome de Brasília para o Distrito Federal.

NOVACAP (Acervo Público disponível em fotospublicas.com) (Foto:Reprodução)

Após algumas visitas do presidente ao local onde seria construída a cidade de Brasília e a criação de diversas comissões para inciar a obra, é fixada a data de 21 de abril de 1960 para a mudança definitiva da capital para o planalto central. Dessa forma cerca de 60 mil trabalhadores foram empregados para a construção da capital. Após 41 meses de construção, exatamente no dia previsto a capital é transferida. A cerimônia contou com uma missa de inauguração e uma mensagem do Papa João XXIII por radiofone, recebida com grande emoção pelos presentes.

Construção do Palácio da Alvorada (Acervo Público disponível em fotospublicas.com)  (Foto:Reprodução)

Apesar de oficialmente Capital Federal do Brasil, a cidade de Brasília ainda não estava totalmente pronta. Nos anos seguintes, foram construídas a Universidade de Brasília, a Orquestra Sinfônica, a Catedral. A partir da década de 80, Brasília é visita pelo Papa João Paulo II. O Memorial JK é construído em homenagem ao ex-presidente da república, o Panteão da Pátria Tancredo Neves em homenagem aos heróis nacionais e a Pira da Pátria, para completar o complexo.

Vista noturna de Brasília (fotógrafo: Mariano Frazão) (Foto:Reprodução)

No dia 07 de dezembro de 1987, após 27 anos da construção da capital, Brasília é reconhecida pela UNESCO como Patrimônio Cultural da Humanidade. Esse título atribui Brasília como centro cultural universal, de valor essencial à humanidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.