O que são dogmas religiosos

O ser humano é sedento por conhecimento. Desde seus primórdios e em diferentes localidades do mundo, os agrupamentos humanos registraram (seja com desenhos, escrita alfabética, hieróglifos ou até mesmo pela oralidade) uma infinidade de atividades cotidianas, como também esquemas explicativos dos sentidos das coisas.

Muitas vezes, esses esquemas envolviam crenças que cogitavam a criação do mundo ou do povo em questão por obra de alguma (ou algumas) entidade divina, extraterrena ou metafísica. Essas histórias não apenas explicavam da onde vinham os ventos ou porque os trovões existem, por exemplo. Elas eram a própria verdade primordial, se revestiam de um poder retórico inflamante nas palavras dos líderes, guiavam e forneciam os princípios básicos da vivência do povo.

A essas histórias damos o nome de mitos. Os mitos possuem toda uma carga simbólica para os indivíduos que é para eles uma espécie de manual da vida, uma extensão do cotidiano. Mas tem algo mais que os mitos podem fornecer a uma sociedade.

Os dogmas religiosos

A existência de Jesus é considerada um dogma pelo cristianismo. ( Foto:Reprodução)

Os grandes mitos religiosos sempre são acompanhados de heroísmo, sacrifícios, exemplos de conduta e demais ensinamentos. Esses ensinamentos demonstram de forma pedagógica, o estilo de conduta que um povo deve adotar, além de traçar princípios sobre amor, sexualidade, reverência ao divino, o trato nas finanças, amizades, ou seja, tudo o que está envolvido no cotidiano.

Esses princípios são chamados de dogmas. Teoricamente, os dogmas seriam princípios de conduta invioláveis que o religioso deve cumprir para garantir a proximidade com o divino. Os dogmas podem ser regras, rituais e até mesmo a verdade incontestável de uma história, como o gêneses cristão ou a existência de Maomé para os islâmicos.

O conceito de dogma foi muito associado a Igreja Católica. Isso porque, o catolicismo os expõe abertamente e os enaltece como verdades infalíveis, inquestionáveis e acima do poder dos humanos, onde nem mesmo o papa poderia se posicionar contrariamente. Com o tempo, o conceito caiu nos diálogos usuais e hoje em dia é também utilizado como figura de linguagem para expressar coisas que não podem ser contraditas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.