Sintomas da anemia falciforme e tratamentos

Há relatos diversos de pessoas que possuem anemia e por vezes desconhecem a doença. Trata-se de uma doença séria que quando não tratada pode levar o portador a óbito. É importante saber que há tipos e tipos de anemia, adquiridas por falta de vitamina no organismo ou forma genética hereditária, onde não há cura. Sendo a última conhecida como anemia falciforme.

A falciforme é caracterizada por uma alteração na formação dos glóbulos vermelhos, sendo conhecida como falciforme pelo seu formato de foice durante a formação. Essa forma adquirida dificulta a passagem pelos pequenos vasos capilares, impedindo a oxigenação aos tecidos.

As hemácias que possuem hemoglobina tipo S se cristalizam com a falta de oxigênio formando trombos que impedem o fluxo de sangue, já que não há mais maleabilidade de uma hemácia normal.

A anemia falciforme possui sintomas intensos, provocando dores de curta ou longa duração. O desconforto varia de portador para portador, mas a intensidade é a mesma.

Sintomas e tratamento

Anemia Falciforme
(Foto:Reprodução)
Créditos de imagem:http://pt.slideshare.net/

  • Dor forte provocada pelo interrompimento do fluxo sanguíneo
  • Dores articulares
  • Fadiga
  • Feridas nas pernas
  • Cálculos biliares
  • Alteração ocular
  • Problemas neurológicos, pulmonar e cardiovascular

É preciso recorrer a um exame laboratorial para obter o diagnóstico da anemia. Os recém-nascidos devem realizar o teste do pezinho para saber se há presença de hemoglobina S no organismo. Se detectado, inicia-se o tratamento. Casos mais comuns em hereditariedade.

Não há tratamento específico para a anemia falciforme, e pelo que se sabe, a doença ainda não possui cura. Os portadores precisam ser assistidos por médicos de maneira constante para que não haja maiores problemas durante o ministramento. Todo o cuidado é necessário para manter a oxigenação adequada aos tecidos, prevenir infecções e controlar as dores.

Recomendamos que faça o teste do pezinho, com o mesmo é possível detectar o problema e iniciar, logo nos primeiros dias de vida de seu bebê, o tratamento. Deve-se ter todo cuidado com a doença durante o “tratar” para uma vida normal da criança.

Se perceber crises de dores frequentes, não hesite, procure imediatamente atendimento médico.

O tratamento é feito à base de analgésicos e repouso, só o médico poderá avaliar a necessidade de intervenção hospitalar. Em casos de crianças menores de 12 anos, não espere, leve imediatamente ao hospital, principalmente se houver presença da palidez.

Siga fielmente as orientações médicas. Realize exames periódicos e cuide de sua saúde. Todas as informações aqui expressas não são completamente afirmativas, procure um médico especializado na área.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.