DicasFree.com » Escolar » Determinismo literatura brasileira

Determinismo literatura brasileira

O determinismo na literatura brasileira traz traços da dura realidade encontrada há tempos e vista por nós até os dias atuais. hoje. O cortiço, de Aluísio de Azevedo, é um dos exemplos dessa forma de escrita, saiba mais neste artigo.

     

Determinismo

O determinismo é exatamente o que o próprio nome já diz. Tudo aquilo que não possui liberdade para diferentes opiniões ou não aceita o contrário do que a obra expressa. Esse prega três pontos característicos: comportamento, raça e o momento.

Tal movimento tem como tese central o homem, fazendo parte de uma projeção em todo cenário. Dessa linha não é possível sair ou transgredir. A descrição do meio deve ser feita de forma que sempre traga a não liberdade de expressão e forma de pensamento diferente do que está empregada a obra.

O cortiço

Um bom exemplo de Obra Determinista na Literatura Brasileira é O cortiço. O mesmo representa parte de um romance naturalista e envolto ao século XIX. As teorias cientificistas são as principais responsáveis pela elaboração dos enredos, tendo também como embasamento o determinismo.

O cortiço, obra de Aluízio de Azevedo, é um bom exemplo de determinismo no Brasil. (Foto: Reprodução)

A Obra é de Aluísio Azevedo, que representou diretamente o naturalismo no Brasil. Um aspecto especialmente experimental é responsável pela desenvoltura expressa. Sendo assim o homem analisado somente como um produto em específico e nada mais do espaço em que vive e reside.

Aluísio possui traços de uma escrita minuciosa dos ambientes e cuidados extremos com os elementos biográficos. Em momento algum faz menção aos aspectos psicológicos ou de pensamento de suas personagens. Uma narrativa friamente precisa. Fazendo com que o homem haja conforme seu meio.

Ele apenas processa o comportamento de quem reside no cortiço, generalizando suas atitudes como uma crítica a sociedade e a marginalidade integrada ao espaço. Os fatos não apresentam sonhos e nem irrealidades, voltados à dura e cruel existência daqueles que fazem parte do local.

As classes mostradas são de necessidade em confronto quando se relacionam, deixando evidências dos “tipos” de pessoas que fazem parte do mal falado cortiço, como: operários, trabalhadores, mestiços e plebeus de toda categoria. Traços de pessoas naturais e com dificuldades de sobrevivência.

A Obra é um bom parâmetro para a escrita na literatura brasileira, faz parte direta do processo de movimento criado para diferentes tipos de escrita e expressão. Trecho do livro:

“As casinhas eram alugadas por mês e as tinas por dia, tudo pago adiantado.”

C. Página 26. 

Posts relacionados

  • O poder do café no segundo reinado
  • Relações entre a literatura e as mídias contemporâneas
  • Rio Nilo: período de cheias e história: Trabalho Escolar
  • Como foi dividida a Primeira República no Brasil
  • Quando utilizar a crase?
  • Dicas para começar a ter o hábito da leitura
  • O que são as palavras monossilábicas?
  • A saída de Graça Foster da presidência da Petrobras
  • Seca em São Paulo
  • Teoria do Big Bang
  • Funcionamento do agitador magnético
  • Formas de tratamento para prefeito
  • Quem foi o responsável pelo projeto do real no Brasil?
  • Como se relacionam funcionalmente os sistemas nervosos simpático e parassimpático?
  • Plaquetas no sangue
  • Significado da palavra comendador
  • Como é dividido o corpo humano?
  • Quais processos são realizados nos rins para a formação da urina?
  • Qual a idade para se aposentar no Brasil?
  • Por quantos dias o ser humano vive sem água?
  • Composição química da camada de ozônio
  • Povos que utilizavam a catapulta
  • Quais as pessoas do verbo?
  • Formas de transmissão de energia térmica
  • Órgãos corpo humano lado direito
  • Animais de sangue frio e quente
  • História da bandeira do Brasil
  • Caatinga fauna flora e características
  • Crise de 1929 no Brasil e no mundo resumo completo
  • Responsáveis pela greve de 1917

  • Quer comentar ?