DicasFree.com » História » Como foi a guerrilha urbana na ditadura militar

Como foi a guerrilha urbana na ditadura militar

As guerrilhas tiveram um papel muito importante durante a ditadura militar de 64 no Brasil. Saiba mais sobre o assunto, clicando no post.

     

O golpe militar da década de 60 mudou bastante o país. A princípio, o governo ainda se mantinha em bases já comuns aos cidadão, de forma com que grande parte dos brasileiros nem percebessem a diferença de um governo para o outro. A movimentação de ideologias e descontentamento com a ditadura se firmou quase sempre nos grandes centros urbanos do país.

As coisas viriam a se mostrar mais radicais com a aprovação do AI-5, que cerceava direitos pessoais, direitos de imprensa e várias proibições que acabaram por fomentar revolta em diversas entidades políticas já existentes no Brasil. Os demais partidos políticos como o Partido Comunista do Brasil ficaram atuando na ilegalidade e correntes de pensamento se divergiram desses blocos.

As Guerrilhas no Brasil

Dentro do próprio partido comunista e de outros partidos brasileiros (agindo na ilegalidade sob a ditadura), fragmentaram-se formas de pensamento. Existiam aqueles que defendiam as mudanças graduais, pelo voto e articulações políticas, como também aqueles que defendiam as mudanças pela luta armada.

Guerrilha rural

Guerrilha rural (Foto: Reprodução)

A figura de Carlos Marighella foi de essencial importância na representatividade desses que defendiam a luta armada. Marighella fundou o que veio a se chamar de ALN (Aliança Nacional Libertadora) e deu início a uma série de lutas de guerrilha, atentados e assaltos a bancos para patrocinar as atividades revolucionárias.

As guerrilhas no Brasil, como também em vários outros lugares no mundo, foram influenciadas pelos exemplos históricos de Cuba, de Vietnã e da União Soviética, que também patrocinava vários grupos de libertação nos países sul americanos. Um dos lemas da ALN era o lema vietnamita “um, dois, três, mil Vietnãs”.

Apesar de bem dispostos, a organização a ALN não foi suficiente para conter os avanços militares, que em 1969, acabaram por assassinar Marighella em seu próprio apartamento. Após esse incidente, em 1971, surge o Movimento Popular de Libertação Nacional (Molipo).

Além desse, o Movimento Revolucionário de 8 de Outubro (MR-8), a Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (Var- Palmares) e a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) foram os grupos de guerrilha criados contra o regime militar após a desistência da ALN.

Todos esses grupos acabaram por sofrer maiores repressões, principalmente durante o governo Médici. O governo militar se estruturaria melhor para combater os atentados e roubos cometidos pelos grupos revolucionários, como também para se infiltrar e capturar as lideranças. Além do Oban, tinha o Destacamento de Operações e Informações (DOIs), o Centro de Informação do Exército (CIE), Centro de Operações de Defesa Interna (CODIs).

Apesar de pouco expressiva se comparada a urbana, a guerrilha rural também teve seu peso e foi combatida com igual repressão pelo Exército Brasileiro.

Texto do mesmo assunto:


Quer comentar ?