Efeito do carboidrato no organismo

O carboidrato é um nutriente essencial para o organismo, pois é um macronutriente, feito por:

• Moléculas de carbono
• Hidrogênio
• Oxigênio

Itens responsáveis pela liberação de glicose e fornecimento de energia para as células, que são essenciais para o crescimento e formação do corpo. Sendo assim, em conformidade com o número de átomos de carbono em suas moléculas, os carboidratos são divididos em:

• Monossacarídeos: Glicose, frutose e galactose, são os mais encontramos nos alimentos, possuindo de três a sete carbonos.

Sendo assim, os monossacarídeos possuem como carboidrato a glicose, que é o açúcar encontrado nos xaropes de milho e no mel. Já a frutose, o açúcar é encontrado nas frutas e a galactose é encontrada no leite e nos produtos lácteos, pois não é encontrada livre na natureza e combinada com a glicose, acaba formando a lactose.

• Dissacarídeos: Sacarose, maltose e lactose, compostos de duas moléculas de monossacarídeos, sendo que a glicose sempre estará presente.

Uma molécula de água é disponibilizada ao combinar dois monossacarídeos, ocasionando uma resposta da condensação. A absorção acontece a partir do momento que são hidrolisado e transformados em monossacarídeos, que são:

Sacarose = glicose + frutose / Lactose = glicose + galactose / Maltose = glicose + glicose

Sacarose: Conhecido como o açúcar de mesa, derivado dos vegetais é identificado na cana de açúcar, beterraba, uva e mel…

Maltose: Açúcar do malte, que não é encontrado livre na natureza, é adquirido a partir da fermentação de cereais em germinação, por exemplo, a cevada, etanol (álcool) e dióxido de carbono.

Lactose: Açúcar do leite, fabricado especialmente nas glândulas mamárias dos lactantes, sendo o menos doce dos dissacarídeos.

• Polissacarídeos: Conhecidos como carboidratos complexos, formados por milhares de unidades monossacarídeos, são menos solúveis e mais estáveis que o açúcar simples.

Amido: Reserva energética dos vegetais, encontrado nos grãos, raízes, vegetais e legumes. Por exemplo: trigo, aveia, centeio, cevada, milho, arroz, mandioca e batatas…

Glicogênio: Armazenamento dos carboidratos, muito importante para o metabolismo.

Celulose: Polissacarídeo presente na estrutura celular dos vegetais, por exemplo, frutas, hortaliças, legumes, grãos, nozes e sementes.

Carboidrato Simples

A digestão e absorção dos carboidratos simples, são rápidas e propiciam o crescimento dos níveis de glicose no sangue (glicemia), logo o carboidrato possui condição química molecular de tamanho reduzido (monossacarídeos e dissacarídeos). Exemplo de carboidratos simples: frutas, mel, xarope de milho e açúcar.

Carboidrato Complexo

Formada por milhares de moléculas polissacarídeos, não se transformam em açúcar com muita velocidade, diante a absorção lenta, que acarreta o crescimento gradual da glicemia. Exemplo de carboidratos complexos: frutas, verduras, amidos, arroz e massas.

Benefícios do Carboidrato

Fonte de energia: A glicose é a principal molécula que fornece energia para o corpo.

Amigo do cérebro: Sem o acesso contínuo da glicose na corrente sanguínea o cérebro não funciona, ocasionando a produção excessiva dos corpos cetônicos, que podem acarretar uma intoxicação, que provocará os seguintes sintomas: dores de cabeça, mau hálito e até desmaios.

Proteção dos músculos: As energias das proteínas não são utilizadas, caso o  número de carboidrato esteja de acordo com a quantidade correta, logo, as proteínas ajudam os músculos em suas lesões ao praticar atividades físicas, deixando os músculos mais fortes.

Saciedade: Os carboidratos complexos, deixam a sensação de saciedade, pois são digeridos e absorvidos vagarosamente, acarretando o aumento gradual da glicemia.

Humor e bem-estar: Carboidratos consumidos de forma adequada, instigam a produção de serotonina, que é o neurotransmissor responsável por influenciar o humor e o bem-estar.

Importante:

O sistema imunológico poderá ser afetado diante a falta de carboidratos, pois os músculos são incumbidos de enviar glutamina para a elaboração de células imunes. Sendo assim, as proteínas passam a ser utilizadas como fonte de energia perante a falta de carboidratos.

A falta de carboidrato pode também causar falta de energia, como a fadiga, pois os músculos são incumbidos de armazenar glicogênio, ou seja, glicose para enviar energia ao fazer exercícios físicos.

Acidose metabólica no organismo poderá ocorrer, pois sem glicose para as células, os lipídios são oxidados e formam uma quantidade anormal de cetonas, causando sintomas de cansaço, fraqueza, nervosismo, etc.

Combinar carboidratos com o consumo de proteínas ou gorduras é essencial para obter uma saciedade maior, pois o tempo da digestão também é maior. Porém, atente-se aos riscos de peso, pois o consumo exagerado de carboidratos não é indicado, dado que em excesso a insulina modifica o excesso de glicose em triacilglicerol, gordura que fica no tecido adiposo.

Carboidratos complexos são os indicados para pessoas que possuem diabetes, por conta do baixo índice glicêmico. No entanto, é essencial consumir com moderação os carboidratos para evitar problemas com o peso e doenças como a diabetes.

Sintomas de insolação em bebês

Os bebês são bem mais vulneráveis às queimaduras solares do que os adultos, pois a sua pele, além de fina é muito sensível. Sendo assim, não é incomum ocorrer insolação em crianças e bebês durante um dia de sol.

Um dia no clube ou na praia, poderá deixar de ser um dia agradável, caso os pais não protejam os seus filhos de forma adequada ao sol. Pois, um bebê com insolação traz muitas gravidades.

Posto isto, quando um corpo é excessivamente exposto ao sol, acaba perdendo o líquido e o sal contidos no suor, causando uma insolação diante a falta de proteção e hidratação da pele adequada.

Compreenda que a exposição do corpo aos raios solares, causam queimaduras e desidratação, pois as células são destruídas e o líquido é totalmente eliminado. Logo, veja a seguir, os sintomas de uma insolação em bebês.

Sintomas:

• Pele quente e avermelhada
• Tontura
• Dor de cabeça
• Pulso forte e rápido
• Sede intensa
• Falta de ar

Sintomas mais graves

• Aumento da temperatura corporal
• Mal-estar
• Vertigem
• Vômito

Prevenção

• Uso do filtro solar e o FPS (fator de proteção solar) acima de 30.
• Aplicar o protetor de 15 em 15 minutos
• Beber muita água
• Ficar longe do sol entre 10 horas e 16 horas
• Uso de bonés e chapeis

Tratamento

• Manter o bebê com mais de seis meses hidrato com líquido, como água. Já os bebês menores de seis meses, manter a hidratação com o leite materno.

• Colocar nas áreas queimadas da pele do bebê uma fralda de pano ou uma gaze em água fresca para amenizar a dor da queimadura. Coloque entre dez a quinze minutos, ressaltando que o uso de água gelada e gelo na pele dos bebês, não é recomendado.

• Para amenizar o incomodo da dor, adicionar maisena ou uma colher de carboidrato na água do bebê.

• Não aplique produtos em seu bebê que contenham a substância benzocaína, pois podem irritar ou dar alergia na pele do bebê.

• A dica é o uso de hidratantes apropriados para bebês, que aliviam a coceira, principalmente quando a pele começa a descascar. Evitar substâncias com cânfora em crianças com menos de dois anos, porém a substância calamina é indicada.

• Ficar em um lugar fresco e ventilado com o bebê

• Dar banho com água fresca com maior frequência

• Fazer atividades mais relaxadas com as crianças

Mesmo com os riscos de insolação, é essencial para a saúde da pele do bebê tomar banho de sol, porém é necessário saber os horários certos e as precauções para não prejudicar a pele do bebê.

Entenda que tomar sol ativa a produção de vitamina D do organismo, colaborando para a absorção de cálcio pelos ossos, dificultando o raquitismo. No entanto, o sol para os bebês tem que ser entre dez a quinze minutos, nos horários propícios.

Alguns bebês nascem com icterícia, aumentando a necessidade de tomarem banho de sol, dado ao excesso da substância bilirrubina, responsável por provocar uma coloração amarela na pele e olhos.

Logo, o banho de sol ajudará a combater kernicterus, que é a lesão do sistema central por impregnação da biliburrina.

Procurar um posto de saúde quando o bebê está com insolação é essencial, principalmente quando ocorrem bolhas nas queimaduras do bebê. Caso tenha líquido dentro das bolhas, não estoure e nem coloque curativos, pois poderá provocar uma infecção.

Alguns estudos indicam que a insolação em bebês, aumenta o risco de melanoma na fase adulta, que é a forma mais intensa de câncer de pele, dado que a exposição aos raios ultra violetas, amplifica os riscos ao câncer de pele.

Mesmo nos dias nublados, a pele está exposta aos raios ultravioletas. Por isso é necessário tomar as mesmas precauções de um dia ensolarado, pois o nível da radiação de um dia nublado, poderá chegar a 70%, causando danos à pele ao enganar as pessoas que acham que estão protegidas.

Importante

• O organismo infantil possui um grande potencial de água e quantidade de líquido entre as células, que ajuda a ocasionar a desidratação mais rápido nos bebês.
• Os melhores horários para o corpo ficar exposto ao sol é pela manhã ou no final da tarde.
• É necessário aplicar o protetor bem antes da exposição ao sol e principalmente prestar atenção quando a criança brinca por muito tempo na água.
• É primordial manter a criança hidratada, ou seja, é preciso ingerir muita água.
• Existem roupas que são apropriadas para a proteção solar, porém uma roupa clara também protege.
• Descascar a pele faz parte do processo de cura, porém o bebê precisa usar roupas confortáveis, como as de algodão.

Sintomas do HIV positivo no homem

HIV é o vírus responsável por causar a AIDS, doença sexualmente transmissível. Entenda que mesmo tendo o vírus HIV no corpo, não significa que a pessoa já esteja com AIDS.

A pessoa que possui vírus HIV, tem o seu sistema imunológico afetado sucedendo várias infecções no corpo humano. Sabendo-se disso, são essas infecções que ocasionam a AIDS.

Não pense que o vírus HIV é transmitido somente através de relações sexuais. O vírus pode ser transmitido também por:

• Transfusões de sangue
• Agulhas infectadas
• De mãe para filho durante a gravidez, incluindo o parto ou amamentação

O vírus HIV provoca a imunossupressão, que são as quedas do nosso sistema imunológico. Compreenda que o nosso sistema imunológico é o responsável por nos proteger de infecções que podem gerar germes, vírus, bactérias e fungos.

A queda do nosso sistema imunológico ocorre, porque o vírus HIV destrói lentamente e gradualmente, os linfócitos e as células pertencentes ao sistema imunológico.

A AIDS é provocada quando o vírus HIV já está numa fase avançada, ou seja, quando o vírus já destruiu grande parte de linfócitos, deixando o sistema imunológico totalmente debilitado.

Os sintomas do HIV não são os mesmos que os sintomas da AIDS, pois existe a infecção aguda pelo HIV, que surge depois de duas a quatro semanas após a contaminação do vírus, podendo ser notada também de dois a três meses da infecção. Veja a seguir os sintomas da infecção aguda do HIV:

• 38ºC a 40ºC de frebre
• Faringite
• Manchas vermelhas na pele
• Aumento de linfonodos
• Dores articulares e musculares
• Cefaleia (dor de cabeça)

Depois de seis meses o sintomas do vírus HIV, tende a piorar. Com a AIDS no corpo, homens procuram atenção médica para aliviar os sintomas, como a vacina contra a AIDS, que reduz os sintomas, mas não traz a cura. Veja a seguir os sintomas:

• Perda de peso
• Diarreia
• Doenças neurológicas
• Perda de apetite
• Distúrbio no sono
• Suor noturno
• Tosse seca
• Pneumonia

Importante

• Os linfócitos CD4 são células que acabam sendo destruídas pelo vírus do HIV
• A AIDS é causada pelo pequeno nível de linfócitos CD4
• O tratamento para AIDS teve um grande avanço, colaborando para a descoberta precoce da doença, logo, o tratamento é iniciado antes que ocorra mais infecções
• Mesmo com o avanço no tratamento da AIDS, ela ainda não tem cura e o número de pessoas infectadas ainda é preocupante
• O coquetel antirretroviral é essencial para que não ocorra o aumento do vírus e evita a destruição dos linfócitos CD4
• Doenças oportunistas desenvolvem a AIDS, pois se aproveitam da fraqueza do sistema imunológico, atacando o organismo

• É possível que uma pessoa infectada pelo vírus HIV, fique anos e anos sem precisar do tratamento, pois o não desenvolvimento de uma doença oportunista não ocasiona a AIDS
• A AIDS deixou de ser uma doença que atingia principalmente homossexuais, usuários de drogas injetáveis e hemofílicos. Hoje, ela se espalha de forma geral
• O número de heterossexuais infectados pelo vírus HIV, tem aumentado bastante, principalmente em mulheres
• Os primeiros sintomas do vírus HIV são muito parecidos com os sintomas de uma infecção viral, por isso é difícil distinguir os sintomas dizendo exatamente o que é
• Existem casais onde um deles é soropositivo, mas que pretendem ter filhos. Por mais que seja uma situação de risco, pois haverá sexo sem camisinha, é possível que a mulher engravide, por exemplo, caso ela tenha AIDS, sem contaminar o seu parceiro. Porém, será necessário um acompanhamento médico e psicológico, para que o preservativo seja retirado no momento certo, ou seja, quando o médico permitir. Esse momento será quando a pessoa infectada estiver com a carga viral baixa e o sistema imunológico dos dois fortalecidos.

Sintomas das primeiras semanas de gravidez

Nem toda mulher consegue notar os primeiros sintomas de uma gravidez, por diversos motivos, os primeiros sintomas de uma gravidez é muito parecido com os sintomas de quando a menstruação vai descer.

Além disso, algumas não esperam estar grávidas, no entanto, algumas mulheres estão na expectativa de ter um bebê, sendo assim, conseguem perceber os primeiros sintomas de uma gravidez.

De qualquer forma, os primeiros sintomas de uma gravidez é um sinal para que a mulher procure métodos eficientes para confirmar a gravidez, seja pelo teste de gravidez comprados na farmácia ou por exame de sangue, sendo que esse último é o mais correto.

Quanto mais cedo souber o resultado, melhor será para a mulher e o seu bebê, pois além de adiantar o pré-natal, que é muito importante. A mulher passará a ter cuidados essenciais para a saúde do bebê, como:

• Parar de ingerir álcool ou drogas
• Controlar a glicose do sangue
• Iniciar dietas saudáveis
• Observar a pressão arterial

Geralmente, os primeiros sintomas da gestação só aparecem após três semanas da fecundação. Entretanto, é possível que a mulher manifeste os primeiros sintomas da gestação antes mesmo da menstruação atrasar.

Aversão a cheiros fortes

É no início da gestação que a mulher passa a ter aversão a cheiros fortes, pois o olfato passa a ter mais sensibilidade diante alguns cheiros, por exemplo, o perfume, por mais agradável que pareça o cheiro, pode ocasionar enjoo na gestante.

Assim, como outros cheiros fortes, podem fazer com que a gestante chegue a vomitar, o cheiro de gasolina, produtos de limpeza e até mesmo o cheiro de comidas podem provocar enjoos intensos na mulher grávida.

Mamas sensíveis e inchadas

É nas duas primeiras semanas da gestação, que os seios da mulher passam a ficar mais sensíveis e inchados, graças aos hormônios que estimulam as glândulas mamárias, na intenção de preparar os seios para a amamentação.

Espinhas e pele oleosa

Devido as alterações hormonais, pode ocorrer desde as primeiras semanas da gestação até a última semana, o aumento ou o aparecimento de espinhas, conhecido também como acne, além de aumentar a oleosidade da pele. Recomenda-se o uso de produtos de limpeza e de higiene da pele para reduzir a acne e a oleosidade.

Cansaço e sono

É nas duas primeiras semanas da gestação que surge o cansaço e o sono excessivo. A disposição para a rotina do dia a dia, torna-se outra, a fadiga transforma-se em algo comum para a rotina da mulher grávida.

O cansaço e o sono anormal, surgem por causa das alterações hormonais e consequentemente também pela queda da quantidade de açúcar no sangue. Compreenda que a progesterona atua sem desvios ao sistema nervoso central e nos sistemas respiratórios e cardiovasculares.

Variações de humor

É nas duas primeiras semanas da gravidez que a mulher tende a ficar mais sensível diante as suas emoções. Ela pode rir e chorar num intervalo pequeno, assim como também pode ficar de mau humor por situações banais.

A variação de humor é comum, podendo durar por toda a gestação. Por estar emotiva, a gestante pode chorar até mesmo vendo um comercial de TV e rir de situações que antes não sorriria.

Corrimento vaginal cor-de-rosa

O corrimento vaginal é algo natural que acontece com a mulher, pois é o excesso de muco vaginal, porém esse corrimento vem num tom meio rosa, porque quando o óvulo é fecundado se mistura com o sangue, que é ocasionado pela chegada do espermatozoide no óvulo, que assim, chegará até o útero.

Cólica e inchaço abdominal

A cólica e o inchaço abdominal, ocorrem porque assim que o óvulo é fecundado, ocorre a multiplicação do fluxo sanguíneo na região pélvica. Sendo assim, para que a gravidez continue em proteção, os hormônios agem em prol do embrião, causando também o crescimento uterino, responsável pelo inchaço do abdômen.

Pode ser que ocorra um leve sangramento, parecido com a menstruação, mas para não confundir com uma menstruação normal, basta reparar que a quantidade é bem menor. Contrações uterinas acontecem ao decorrer da gestação, pois além de estarem se preparando para o bebê, é uma forma também do útero se preparar para a chegada do parto.

Aumento da frequência urinária

É praticamente na sexta semana da gestação, que a mulher começa a sentir necessidade de urinar num prazo curto de tempo. Essa vontade de ir ao banheiro frequentemente pode acontecer, principalmente de madrugada, logo, é um fator que atrapalha o sono de muitas grávidas.

Isso acontece por conta do aumento da progesterona. A medida que o feto cresce, ele vai comprimindo a bexiga. Os hormônios acabam relaxando a bexiga, logo a bexiga perde a sua eficiência em esvaziar totalmente, provocando a necessidade imediata de urinar.

Tontura, enjoos, vômitos e dor de cabeça

Após a sexta semana da gestação, torna-se comum a mulher sentir tonturas, enjoos, vômitos e dor de cabeça durante a gestação. Esse enjoo é o que provoca o vômito, normalmente esses enjoos tendem a acontecer pela manhã.

Tonturas, enjoos, vômitos e dor de cabeça, ocorrem por conta dos hormônios, junto a redução da glicose no sangue, que provocam variadas alterações no organismo da gestante, podendo causar também outras reações ruins, como a queda da pressão arterial.

Prisão de ventre 

A prisão de ventre é um fator que não ocorre com todas as gestantes, porém vale ressaltar que pela produção excessiva de hormônios, ocasionam o relaxamento de órgãos e tecidos do corpo.

Sendo assim, o intestino é um dos órgãos que sofrem com essa mudança do organismo, logo diminuem a sua eficiência em contrair, dificultando o intestino a agir normalmente, causando a prisão de ventre.

Desejos alimentares e alterações do paladar 

Comum vermos mulheres grávidas sentirem desejo por certas comidas. Alguns desejos são por alimentos normais, outros desejos já são um pouco estranho, tratando-se do paladar.

Porém, pode também ocorrer uma modificação no paladar da gestante, alguns gostos simplesmente se transformam, por exemplo, aquela comida que antes era a preferida da gestante, pode passar a ter um gosto azedo para o seu paladar.

Dor nas costas

É mais para o final da gestação que a mulher passa a carregar excesso de peso, por conta da sua barriga, porém pode ser que ocorra dores nas costas antes mesmo da barriga tornar-se muito pesada.

Acontece que a progesterona provoca na musculatura e em outros ligamentos do corpo, um certo relaxamento, principalmente nas costas e no abdômen, logo causa dores e desconforto para a gestante, que acaba alterando a sua postura.

Importante

• Caso tenha descoberto a gravidez através do exame de farmácia, é essencial fazer um teste de sangue, não só para confirmar novamente a gestação, mas também para iniciar o tratamento adequado, é aconselhável consultar o ginecologista ou um obstetra.
• Importante que toda gestante durma de lado, principalmente nos últimos meses de gestação, pois ao dormir de barriga para cima, pode ocasionar a diminuição do sangue que chega ao coração, pois dormir de barriga para cima pode comprimir a veia cava.
• Não se assuste toda vez que a sua menstruação atrasar, principalmente se você não deseja no momento uma gravidez, pois o atraso da menstruação pode ser ocasionada por vário fatores, por exemplo, infecções, cansaço e estresse.

Sintomas do câncer de mama em homens

Comum ouvirmos falar sobre o câncer de mama em mulheres, muitas propagandas são feitas como alerta. Palestras com esse tema são ministradas e os estudos aumentam cada vez mais em relação ao câncer de mama em mulheres.

O que não é comum, é ouvirmos falar sobre o câncer de mama em homens e os seus sintomas. Muitas pessoas não tem conhecimento sobre esses casos e quando tomam conhecimento, ficam surpresas.

Acontece que é um diagnóstico raro, principalmente comparado aos casos de mulheres com câncer de mama. Pois, hoje em dia, infelizmente, muitas mulheres enfrentam o câncer de mama.

O diagnóstico do câncer de mama em homens, muitas vezes é tardio, principalmente pela falta de informação, fazendo com que o homem ignore todos os sintomas que esse tipo de tumor causa.

Compreenda que apenas 1% das pessoas que são diagnosticadas pelo câncer de mama, pertence ao sexo masculino. Logo, é uma porcentagem pequena em relação as mulheres diagnosticadas por esse tumor.

Porém, não diminui a importância dos homens passarem a ter conhecimento e cuidados em relação ao câncer de mama. Assim, como as mulheres, todo homem precisa ter discernimento sobre os sintomas do câncer de mama, para evitar problemas futuros.

É necessário, pois muitos diagnósticos são tardios, principalmente pela falta de informação. Mas deve-se também ao machismo, pois muitos homens apresentam preconceito. Preconceito, que os impedem de procurar um médico, logo, as chances de cura são reduzidas.

No Reino Unido, por exemplo, a cada ano é diagnosticado mais ou menos trezentos e cinquenta homens com o câncer de mama, enquanto isso, são cinquenta e cinco mil mulheres diagnosticas com o câncer de mama por ano.

Desses trezentos e cinquenta homens diagnosticados com esse tumor, morrem mais ou menos, setenta e cinco homens por ano. Vale ressaltar, que quanto mais cedo for diagnosticado com o câncer de mama, maiores serão as chances de cura.

Você pode se perguntar: ‘‘Mas qual é o pior? Câncer de mama em homens ou em mulheres?”. Entenda que cada diagnóstico, propõe um tratamento de acordo com os resultados, porém o câncer não é mais agressivo em homens do que em mulheres e vice-versa.

Lamentavelmente, o que dificulta o tratamento do câncer de mama masculino, é que a maioria dos diagnósticos feitos, são feitos quando a doença já está num estágio avançado, podendo suceder uma metástase e até mesmo óbito.

Homens e mulheres, possuem glândulas mamárias, por isso os dois estão sujeitos a apresentar câncer de mama. No entanto, o câncer de mama em homens, surge numa idade mais avançada, entre 55 a 70 anos.

Veja a seguir fatores que contribuem para o câncer de mama masculino:

• Genética: Familiares que já tiveram câncer de mama, independente do gênero, podem contribuir para o surgimento desse tumor.
• Idade: Homens com mais de 55 anos estão mais propícios a ter câncer de mama.
• Radiação: Exposição excessiva a radiações, podem ocasionar o câncer de mama.
• Hormônios: O distúrbio hormonal pode acarretar hiperestrogenismo, o que aumentará as chances de se estender a um câncer de mama.

Veja a seguir, os sinais mais comuns do câncer de mama:

• A doença é localizada pelo aparecimento de um caroço duro e indolor no tecido mamário, ou seja, na aréola (bico do peito), mas também pode aparecer fora da área do mamilo.
• Os mamilos podem retrair, inchar e também ficar com aspecto ondulado.
• Pode ocorrer secreções no mamilo, além de escamação e vermelhidão.
• Inchaço de gânglios linfáticos na axila também são sinais de câncer de mama.

Veja a seguir, fatores importantes para diagnosticar o câncer de mama masculino:

• Ter conhecimento do histórico do paciente é de deveras importância.
• Exames de mamografia.
• Ultrassonografia.
• Biópsia do tumor.
Veja a seguir, consequências possíveis aos pacientes que ignoram os sinais do câncer de mama, como a metástase, que começa a atingir outras partes do corpo, que não seja o local do tumor.

• O desenvolvimento do tumor causa dores nos ossos.
• Poderá ocorrer coceiras na pele.
• E ampliação dos gânglios linfáticos.

Para realizar o tratamento do câncer de mama masculino, é necessário ter conhecimento sobre o estágio do tumor. Veja a seguir os métodos utilizados para eliminar o tumor.

• Cirurgia: Método usado para remover o caroço da mama.
• Radioterapia e Quimioterapia: Retiram as células malignas que ficam e impedem a volta do câncer.
• Terapia hormonal: Esse tratamento ajuda a impedir o estrogênio, que ajudará a eliminar a doença.

Veja a seguir, os tipos de câncer de mama masculino:

• Carcinoma Ductal In Situ: Pode ser curada com cirurgia. Porém, essa doença apresenta células cancerígenas que se formam na mama e felizmente, não dispersam para fora da mama.
• Carcinoma Ductal Invasivo: Infelizmente, pode espalhar para outros órgãos. Essa doença toca a parede do ducto e progride pelo tecido adiposo da mama.
• Carcinoma Lobular Invasivo: É um tipo de câncer de mama, que é rara nos homens. O tumor crescer no tecido adiposo da mama.
• Doença de Paget: Essa doença causa crostas no mamilo e também escamas, coceiras, inchaço, vermelhidão e sangramento.
• Câncer de Mama Inflamatório: Inflama a mama, causando inchaço, vermelhidão e queimação, no lugar de gerar um nódulo. É também uma doença rara nos homens.

Importante:

• A cura do câncer de mama, vai de acordo com a progressão da doença feita no diagnóstico.
• Ainda não se sabe ao certo o que causa o câncer de mama masculino. No entanto, especialistas acreditam que os fatores já ditos aqui, podem contribuir ao câncer de mama.
• O tratamento e os sintomas do câncer de mama em homens e mulheres, são parecidos. Porém a mama do homem deve ser totalmente retirada, assim como os linfonodos axilares.
• Cirrose e alcoolismo, também ajudam a desenvolver o câncer de mama masculino.