DicasFree.com » História » Quando a crise do imperio romano começou a se manifestar

Quando a crise do imperio romano começou a se manifestar

O império romano teve sua primeira crise em meio a grande movimentação de povos estrangeiros dentro do próprio território romano. Entenda mais sobre esse fato histórico, aqui no Dicas Free.

     

O império romano foi um dos maiores impérios que o ocidente já viu. Além da vasta extensão territorial, os romanos se destacavam por sua administração e organização de recursos que garantiam a permanência dos sistemas fundamentados e o sustento das atividades militares, as quais eram outra característica importantíssima desse império.

Os militares romanos possuíam estratégias, tecnologias e poderio bélico extremamente sofisticado, fator que os propiciou o domínio de várias civilizações e a supressão de inúmeras revoltas que pudessem por em risco a hegemonia de Roma.

Apesar de todos esses fatores que contribuíam para a excelência na manutenção do império romano, o tempo e o crescimento desmedido se mostraram os principais inimigos de Roma. O grande império viu-se em ruínas e foi necessário transferir a capital econômica para um lugar totalmente diferente a afastado da capital italiana.

A crise do império romano

A famosa crise que levou a primeira derrocada do império romano iniciou-se no século III d.C. e consigo levava motivos fundamentais para o declínio. A incrível a administração romana começava a falhar e suas províncias ficavam cada vez mais fragilizadas e talvez até fora do controle total de Roma.

Não se pode esquecer que a base de trabalho no império romano era escravizada. Isso indica mais de 80% das pessoas no império em condição de escravidão e que sustentavam toda a produção. Com a ecasses de terras para dominar e de novos escravos para compor o espaço necessário (muitos escravos morriam em péssimas condições de trabalho e tinha de ser repostos), a economia começou a se fragilizar com a falta na produção.

Constantinopla: viria a ser a segunda capital do império romano (foto: reprodução)

Constantinopla: viria a ser a segunda capital do império romano (foto: reprodução)

As revoltas dos escravos representaram uma grande perda de mão de obra, uma vez que eram necessárias intervenções militares que findavam na aniquilação de quase todos os revoltosos. Uma das revoltas mais conhecidas foi a de Spartacus, um gladiador escravo de origem trácia que liderou um levante de milhares de escravos contra a hegemonia romana.

Apesar da grande revolta de Spartacus ter sido suprimida pelo exército romano, a mesma revelou que o império já se via fragilizado. Outras revoltas viriam a acontecer e a falta de recursos acabariam por diminuir os investimentos nas forças militares. Com o exército desestruturado, não foi possível conter o avanço estrangeiro nas províncias romanas, episódio erroneamente conhecido como “invasões bárbaras”, visto que o adentramento da grande maioria desses estrangeiros foi pacífico e gradual.

Os conflitos entre o império e diversas tribos germânicas fez com que o avanço militar desses inimigos em comum não fosse devidamente evitado. Com um império danificado e desestruturado, a capital romana estava em constante risco de ser tomada. No 395, o imperador Teodósio dividiu o império romano em Ocidente e Oriente, sendo a segunda capital na cidade que viria a se chamar Constantinopla.

Com a queda do império do ocidente, Constantinopla torna-se a nova capital do império romano, que apesar de imensamente reduzido territorialmente, poderia ainda ser considerado o império com a mais importante economia dos arredores. O império romano oriental durou por mais 10 séculos e só veio a finalmente cair em 1453 pela invasão das tropas turcas otomanas, iniciando a modernidade.

Texto do mesmo assunto:


Quer comentar ?