DicasFree.com » História » Pedro Álvares Cabral

Pedro Álvares Cabral

Pedro Álvares Cabral foi uma das figuras mais importantes da história do Brasil, por ter sido o navegador português a desembarcar em terras tupiniquins em 1500. Saiba mais sobre essa figura histórica clicando no post.

     

A figura de Pedro Álvares Cabral pode ter sido uma das mais (se não a mais) icônica da historiografia portuguesa e brasileira. Sua trajetória na história é intimamente ligada aos barcos e novas tecnologias náuticas que inauguram a modernidade, não só em Portugal e Espanha, como também em todo o mundo ocidental.

Tendo sido responsável pelo desvio de rota que o levou as terras do continente americano que viriam a se tornar a colônia do Brasil, território reivindicado pela soberania portuguesa, Cabral além de participante ativo dessas novas conquistas, é também descobridor oficial da América pelos portugueses.

Detalhes de Cabral

Pouco se sabe sobre Pedro Álvares Cabral durante sua infância. Sabe-se que nasceu em Belmonte no de 1467 e faleceu em Santarém no ano de 1520. Cabral era pertencente a nobreza portuguesa e tinha relações próximas com a corte daquele país. Por esse motivo, o jovem fidalgo moço (título de nobreza atribuído a ele) teve acesso a estudos em humanidades, treinamento militar, história, literatura e conhecimento náuticos.

Retrato de Cabral (foto: reprodução)

Retrato de Cabral (Foto: Reprodução)

Destacou-se em diversa áreas e sua proximidade com a corte lhe rendeu o cargo de conselheiro real de D. Manuel I, o título importante de Fidalgo português (diferente de fidalgo moço) e também obteve a nomeação de Cavaleiro da Ordem de Cristo. Não se sabe ao certo a aparência física de Cabral em sua plena juventude, mas alguns indícios apontam que ele tenha sido um homem alto e que a ele eram atribuídos títulos de generoso, prudente, culto, vaidoso e cortês.

 No dia 15 de fevereiro de 1500, Cabral é nomeado Capitão Mor para chefiar uma grande expedição de navegação com o objetivo de chegar a Índia e estabelecer relações comerciais e diplomáticas com aquelas terras. A nomeação de Cabral para esse cargo foi amplamente política, tese defendida por muitos historiadores que estudam esse período.

Sem experiência para comandar grandes expedições, Cabral haveria de enfrentar uma aventura digna de livrescos portugueses. A viagem nesses navios era extremamente perigosas, as condições das embarcações não eram das melhores e as chances de naufrágio em alto mar eram muito grandes. A navegação portuguesa era certamente uma das melhores do ocidente, porém tinha também suas falhas.

Sua frota era composta por 13 naus com cerca de 1500 homens, entre eles marujos experientes, outros nobres, plebeus, membros do clero português e escritores que relatariam o acontecido, um deles, o conhecido Pero Vaz de Caminha.

A viagem ao Brasil

Era possível que a chegada ao Brasil já estivesse prevista nos planos de Cabral e da Coroa Portuguesa. Afinal, as notícias de Colombo já circulavam e Portugal também pretendia expandir seu império, coletar novas riquezas e levar a palavra santa do deus cristão para as terras pagãs ou desconhecidas. O desvio de rota da expedição de Cabral pode ser considerado intencional nesse aspecto.

Retrato de naus portuguesas (foto: reprodução)

Retrato de naus portuguesas (Foto: Reprodução)

No dia 9 de março de 1500, a expedição partiria das terras portuguesas ao som de festas cerimoniais da nobreza e uma grande multidão de expectadores. Após passarem pelo Cabo Verde (colônia portuguesa em terras africanas), uma das naus da expedição desapareceu. Navegaram rumo ao oeste, passando pela linha do equador. O avistamento de algas marinhas elucidava que terras estariam próximas e os navegadores tinham razão.

No dia 22 de abril, a expedição encontra uma costa onde Cabral dá o nome de Monte Pascal (localizada no Nordeste brasileiro), por se tratar do período de páscoa. Tendo avistado populações humanas, um primeiro contato foi realizado por um capitão chamado Nicolau Coelho. Após esse evento, Cabral navega mais alguns quilômetros pela costa e desembarca em um porto natural o qual chamou de Porto Seguro no dia 24 de abril (atual cidade de Porto Seguro na Bahia).

Nessa ocasião, um dos pilotos, Afonso Lopes, trouxe dois indígenas ao navio para manterem um contato mais próximo. Os detalhes de toda a viagem e desse contato estão dispostos da Carta de Pero Vaz de Caminha. Um altar de terra foi construído por ordens de Cabral, onde fora realizada a primeira missa católica em terras brasileiras.

No dia primeiro de maio daquele ano, uma grande cruz foi feita para ser fincada na terra que agora pertencia a soberania portuguesa (na visão de Cabral). As terras não desrespeitavam o tratado de Tordesilhas e uma segunda missa foi celebrada. Nessa ocasião, Cabral nomeou novamente a terra descoberta, dessa vez de Ilha de Vera Cruz.

A volta

Por volta de 2 ou 3 de maio daquele ano, a expedição de Cabral deixa as terras do continente americano e rumam em direção ao continente africano. Em uma ocasião de grande tempestade, 3 naus da expedição são destruídas. Uma nau, comandada por Diogo Dias não conseguiu se reagrupar com as outras restantes e vagou sozinha. Totalizando, a expedição teve a perda de 4 naus e mais de 380 homens.

Rota da expedição de Cabral (Foto: Reprodução)

Rota da expedição de Cabral (Foto: Reprodução)

Depois de passarem pelo Cabo da Boa Esperança, algumas paradas foram necessárias para realizar reparos. A chegada na cidade estado hindu de Calecute era o principal objetivo de Cabral, na qual teve sucesso em estabelecer relações diplomáticas e comerciais. Foi autorizado a ele estabelecer um armazém e uma feitoria no território de Calecute.

O medo dos árabes de perderem seu monopólio no comércio de especiarias fez com que articulações políticas envolvendo o próprio governante de Calecute permitissem um ataque árabe e também hindu a feitoria portuguesa da expedição de Cabral. Cerca de 300 homens, segundo as fontes. A defesa portuguesa conseguiu conter o ataque com suas bestas, aproximadamente 50 portugueses morreram nesse incidente.

Esse incidente desrespeitava o tratado que Cabral acabara de firmar com Calecute e isso causou revolta não só nele, como em toda a tripulação. Com as armas de guerra navais tecnologicamente superiores de Portugal, Cabral decide atacar 10 navios muçulmanos, matando cerca de 600 tripulantes. Também ordena que suas naus bombardeassem Calecute durante um dia inteiro pela violação do tratado.

Cabral viria explorar as rivalidades de outras cidades com Calecute e estabeleceria relações comerciais e diplomáticas com elas. Com os navios cheios de cargas e especiarias, a volta a Portugal se iniciava no dia 16 de janeiro de 1501. Uma das naus encalhou nos bancos de areia e teve de ser abandonada. Cabral dera ordens para que uma nau fosse até Sofala (um dos objetivos da expedição), uma outra a Moçambique e a outra nau que fosse na frente, restando então apenas duas naus na formação inicial.

As duas naus passaram pelo Cabo da Boa Esperança e chegaram a uma cidade chamada Bezeguiche próximo ao cabo verde. Lá, a expedição de Cabral encontrou a nau que fora na frente e também encontra a nau que se perdeu por mais de um ano durante a tempestade da volta do Brasil, liderada por Diogo Dias.

A frota esperou que as outras naus se reencontrassem nesse lugar e partiram para Portugal, totalizando 7 naus, sendo que 5 encontravam-se totalmente carregadas de produtos. Chegaram em Lisboa no dia 21 de Julho de 1501 e os lucros obtidos foram de 800%, cobrindo todos os gastos e perdas na expedição que foi considerada um grande sucesso.

 

Texto do mesmo assunto:


Quer comentar ?