DicasFree.com » Variados » Guerra do Contestado resumo completo

Guerra do Contestado resumo completo

A Guerra do Contestado foi um dos muitos exemplos brasileiros onde a indignação popular, a influência religiosa e as diferentes correntes políticas podem culminar em conflitos armados. Entenda mais clicando no post.

     

A questão agrária no Brasil desde sempre foi um grande problema. No início da colonização do Brasil, o império português decidiu pelo sistema de Capitanias Hereditárias, visando dividir as imensas porções de terras a vários donos para que o território fosse colonizado em grandes extensões e também devidamente explorado.

Logo, esse sistema viria a falhar. Apenas 3 capitanias hereditárias progrediram satisfatoriamente e o sistema de colonização teve de ser revisto pelos portugueses. Desde essa época, a questão da terra seria um grande problema para população colonial, pois os pouquíssimos donos detinham imensas extensões territoriais, enquanto a grande maioria da população não tinha nada.

Com a proclamação da República brasileira, o país foi dividido em Estados Federais, nos quais a terra além de pertencer a um dono, estava subordinada também ao Estado. Nesse aspecto, era comum que diferentes estados brigassem por pedaços de terras que ambos considerassem ter como pertencimento histórico.

Guerra do Contestado

Os Estados Federais de Santa Catarina e Rio Grande do Sul disputavam um pedaço de terra alegando o pertencimento nos dois lados. Essa batalha política pela terra dificultava a vida dos camponeses que trabalhavam na região e que tinham lotes de terra para produção, em grande parte, de subsistência.

Milícias rebeldes

Milícias rebeldes

O conflito da Guerra do Contestado ocorreu entre 1912 até 1916 e envolveu entidades políticas, religiosas, populares e militares. Apesar do descontentamento e das disputas políticas em relação a terra serem longínquas, outro motivo agravador viria a aumentar as tensões sociais na área.

O Governo da República do Brasil estava investindo em ferrovias para facilitar o escoamento dos produtos até os portos e pelo território. Nessas circunstâncias, uma empresa norte americana viria construir uma estrada de ferro que ligaria o Rio Grande do Sul a São Paulo.

Para a construção da Estrada, o Governo desapropriou grandes extensões territoriais camponesas, deixando muitas famílias sem suas terras e consequentemente, sem empregos. Articulações políticas permitiram que outras terras fossem desapropriadas para a instalação de outras empresas, fator que gerou grande descontentamento local pelos camponeses.

Além disso, após o término da linha férrea, os trabalhadores – muitos vindos das mais longínquas partes do país – ficariam sem seus empregos e não receberiam nenhum apoio governamental ou da empresa construtora para voltarem para suas terras ou estabelecer moradia no local. A insatisfação popular tanto dos trabalhadores, como dos camponeses, gerou um enorme alvoroço, onde entidades religiosas contribuíram ideologicamente nos movimentos contra a república.

O Conflito

O beato José Maria foi certamente a figura mais importante no início do movimento. Pregava a construção de um mundo melhor, mais justo e complacente, baseado nas leis e benignidades de Deus. Seus sermões e sua ideologia acabaram por se alastrar pelo povo já indignado e sem muitas escolhas na região. O beato passou a ser líder do movimento que ia de encontro as decisões da república.

Logo, o líder religioso é declarado inimigo da República brasileira e tropas militares e policiais são enviadas para conter a agitação revoltosa. Apesar de não disporem de muitos armamentos para combater as tropas republicanas, os camponeses e antigos trabalhadores conseguiram vencer algumas batalhas logo em 1912. Em uma ocasião, o líder José Maria falece, porém a resistência continua e outros líderes assumem para dar continuidade.

O último líder seria Adeodato Ramos, o qual foi capturado em 1916 pelas forças da república. Essa última captura teria enfraquecido o movimento ao ponte do mesmo se fragmentar, dando a vitória dessa batalha para a República.

Texto do mesmo assunto:


Quer comentar ?