DicasFree.com » Gravidez » Gravidez com corrimento é normal?

Gravidez com corrimento é normal?

A saúde da mulher durante a gestação deve ser preservada ao máximo. Para mais informações sobre os corrimentos durante esse período e como evitá-los, confira este artigo informativo aqui no Dicas Free.

     

Corrimento na gravidez

Durante a gravidez, uma mulher apresenta níveis elevados de alteração hormonal, isso faz com que os corrimentos inevitavelmente surjam, mas não tenham relevância já que é totalmente normal e aceitável uma mulher expelir tais líquidos durante esse período da vida. O corrimento natural não faz mal para mamãe e bebê.

Contudo, é muito importante que a mesma observe cada detalhe desse corrimento, geralmente aqueles que possuem cheiro forte e cor escura tendem a ser doenças (graves) e apresentar outros sintomas colocando em risco a vida do seu bebê se não tratado adequadamente.

Os principais sintomas de um corrimento não é normal

  • Ardência
  • Coceira
  • Dores ao urinar
  • Dores durante relações sexuais
  • Dores no contato íntimo (como ao lavar)

Aos primeiros sinais de qualquer uma dessas anormalidades, você deverá procurar um obstetra e entender o seu quadro de saúde. Corrimentos anormais podem colocar em risco a sua saúde e do seu bebê. O contato com um médico deve ser feito o mais rápido possível.

Conheça agora tipos específicos de corrimentos e os tipos de problemas que eles podem trazer durante o período da gravidez.

Corrimento marrom

Esse tipo de corrimento é sem sombra de dúvidas o mais perigoso. Ele apresenta uma cor escura, parecida com borra de café. Geralmente não vem em muita quantidade, mas proporciona intensa coceira, dores ao urinar e ardência. Também pode ser causado por perda sanguínea ou findar de menstruações.

Quando a mulher ainda não está em fase de gravidez, um fio desse tipo de corrimento pode indicar que a mesma está gestante, será necessário tomar as coordenadas para fazer os exames de sangue e testificar os níveis de HCG no sangue. Já nas últimas semanas de gravidez, ele indica que o parto se aproxima.

Você poderá conhecer um pouco mais sobre o corrimento marrom, AQUI.

Corrimento esbranquiçado

Com os níveis elevados de alteração hormonal, é inevitável que os corrimentos surjam. Mas tem que estar sempre em alerta. (foto: reprodução)

O corrimento esbranquiçado é o mais comum e menos perigoso. Contudo, é responsável pelo desenvolvimento da candidíase quando acompanhado de coceira. A mesma é uma infecção nas áreas do órgão genital feminino, facilmente tratada com o uso de pomadas e ingestão de medicamentos. Converse com seu ginecologista aos primeiros sintomas.

Você poderá conhecer um pouco mais sobre o corrimento esbranquiçado, AQUI.

Corrimento amarelo

O corrimento amarelo também apresenta normalidade mas apresenta mais perigo que o esbranquiçado. Ele geralmente vem acompanhado de coceiras e dores durante a urina. Seu cheiro geralmente se iguala a de peixe cru e pode ser causado por uma infecção chamada vaginose bacteriana.

Para tratar, você deverá seguir as orientações de um obstetra e utilizar os medicamentos que o mesmo recomendar. Também pode ser tratado com pomadas. Quando não tratados, esse tipo de corrimento gera complicações como parto prematuro, inflamação, ruptura da bolsa e infecção pós parto.

Você poderá conhecer um pouco mais sobre o corrimento amarelo, AQUI.

Há algumas maneiras de evitar que o corrimento esteja presente durante a gravidez, basta tomar algumas medidas higiênicas e entender melhor sobre o problema.

Como evitar os corrimentos na gestação?

  • Lavar a região genital com água e sabão neutro
  • Não lavar a região interna do órgão genital com duchas
  • Alimentar-se corretamente
  • Não usar absorventes internos
  • Não usar protetores diários com perfume
  • Passar o papel higiênico de frente para trás ao limpar-se depois de ir ao banheiro

Você também deverá evitar múltiplos parceiros durante esse período e utilizar o preservativo em todas as suas relações sexuais. Ele é indispensável não só durante o período de gestação, mas também no combate à transmissão de DST’s.

Texto do mesmo assunto:


Quer comentar ?